Lista aponta tendências e inovações para o ano de 2020

<div><img src="https://img.r7.com/images/tendencias-da-tecnologia-para-2020-15012020145912319?dimensions=660×440&no_crop=true"><p>A empresa norte-americana J. Walter Thompson lança desde 2010 sua lista com as 100 maiores tendências para o ano. O levantamento abrange áreas de cultura, tecnologia, marketing, comida, beleza, saúde entre outros, apresentando dez tendências para cada uma delas.&nbsp;<br><br>A lista completa aponta que a virada da década representa uma grande mudança e que as empresas pretendem mudar. Temas como sustentabilidade, novas éticas de produção, abrangência social, preservação cultural e esperança permeiam todas as categorias da lista.<br><br>Veja algumas das ideias mais interessante que podem aparecer durante o ano: <br><br></p></div><div><img src="https://img.r7.com/images/privacidade-15012020134754763?dimensions=660×440&no_crop=true"><p><b>Era da privacidade e dados&nbsp;</b><br><b><br></b>As informações digitais, a princípio usadas para facilitar a vida do usuário e criar um ambiente digital agradável e personalizado, se tornaram uma das grandes questões quando se trata de tecnologia. De acordo com pesquisa da SONAR™, 89% dos consumidores consideram a forma com que as empresas recolhem os dados danosa e se sentem explorados.&nbsp;<br><br>Casos como a ação da Cambridge Analytica nas eleições presidenciais norte-americanas e diversos vazamentos de dados, alarmaram as pessoas, que passaram a desconfiar da forma com que grandes empresas geram renda a partir da coleta de dados.&nbsp;<br><br>O movimento necessário foi a transparência e lealdade, ou seja, contar para o consumir o que está sendo feito com suas informações, sem letras minúsculas de rodapé<br><br></p></div><div><img src="https://img.r7.com/images/cameras-de-seguranca-15012020135822542?dimensions=660×440&no_crop=true"><p><b>As novas regras para reconhecimento facial</b> <br>Em 2019, o uso do reconhecimento facial gerou protestos e muitas polêmicas. Hong Kong foi um centro contra o uso da tecnologia como forma de controle com manifestações que derrubavam câmeras espalhadas pelas ruas da cidade.<br><br> Com as empresas aderindo a tecnologia, aproximadamente 60% de consumidores afirmam ser contra o uso de suas imagens, ainda mais em arquivos e bancos de dados. A quantidade de informações permitiria uma hiperpersonalização de produtos e serviços nunca antes visto, mas para isso é necessário transparência.&nbsp;<br><br>Em 2020 é esperado que novas políticas quanto a aplicação do reconhecimento facial surjam. É possível que os dados adquiridos pela tecnologia sejam tratados como propriedade privada do usuário, como uma casa ou carro&nbsp;<br><br><b><br></b></p></div><div><img src="https://img.r7.com/images/agricultura-saudavel-15012020134753358?dimensions=660×440&no_crop=true"><p><b>Agricultura regenerativa</b><br><br>Segundo pesquisa da ONU, em algumas regiões, o solo pode ter apenas 60 colheitas restantes antes de começar a se tornar infértil. Portanto, a agricultura regenerativa se torna uma forma de preservar o solo do desgaste, além de reduzir a emissão de carbono na atmosfera.&nbsp;<br><br>A técnica consiste em práticas como a permacultura, que visa a sustentabilidade do local em que o alimento é produzido, agricultura de conservação, plantio direto, plantio mínimo, recorte de pastagem,compostagem e diversificação dos espécimes plantados. Assim,os nutrientes vão se renovando e a chance do solo ficar pobre ou sofrer erosão é menor<br></p></div><div><img src="https://img.r7.com/images/projeto-neon-15012020134753486?dimensions=660×440&no_crop=true"><p><b>Inteligência artificial no ambiente de trabalho</b> <br><br>Algumas empresas têm adotado inteligência artificial para cumprir tarefas do cotidiano, como entrevistar candidatos e tomar decisões relacionadas a determinadas áreas de trabalho, com o intuito de cortar gastos e automatizar tarefas.&nbsp;<br><br>Porém, estudos da academia real de artes da Grã Bretanha mostram que 60% dos funcionários são contra o uso dessas tecnologias, principalmente quando se trata da área de RH. A questão envolve ética e a falta de regulamentação existente. Um robô tem capacidade de lógica e justiça para demitir alguém? O tema deve vir a tona este ano<br><br></p></div><div><img src="https://img.r7.com/images/games-anti-bullying-15012020134752872?dimensions=660×440&no_crop=true"><p><b>Medidas anti-bullying nos games&nbsp;</b><br><br>Desenvolvedores de games têm adotado medidas para prevenir comportamentos tóxicos que dominaram as plataformas no último anos, como normalização da sexualização de personagens femininos e violência com recompensas.&nbsp;<br><br>Uma nova versão da plataforma para Xbox, por exemplo, permite escolher qual tipo de conteúdo o jogador gostaria de receber, assim, as experiências negativas de minorias durante a jogatina seria reduzida.&nbsp;<br><br>Games com essa temática também marcaram presença este ano. Em outubro, o “Concrete Genie” trouxe novas perspectivas, como abordar a arte como forma de aceitação e antídoto ao preconceito<br><br></p></div><div><img src="https://img.r7.com/images/black-mirror-15012020142741827?dimensions=660×440&no_crop=true"><p><b>Engenharia contra a solidão</b>&nbsp;<br>Com a população ficando cada vez mais velha e a solidão se tornando um problema cada vez mais frequente, é esperado que serviços para resolver essas questões sejam criados.<br><br>Pesquisas do Wall Street Jornal sugerem que entre a população americana existem 50 milhões de pessoas acima de 50 anos sem nenhuma companhia, o que os torna mais suscetíveis a doenças psicológicas, como depressão e demência.&nbsp;<br><br>Para isso, startups têm investido em companheiros virtuais, como o Lovotov e o Tombot puppy, ambos apresentado na CES 2020, maior feira de tecnologia do ano, e com o objetivo de amenizar a solidão<br><br></p></div><div><img src="https://img.r7.com/images/marvel-15012020134958066?dimensions=660×440&no_crop=true"><p><b>Super heróis fora do padrão</b><br><br>Antes intocáveis, sem falhas e modelos de comportamento, como o super-homem, os heróis do futuro serão diferentes. Os novos personagens passaram a ser mais representativos e menos idealizados.&nbsp;<br><br>A transformação de personagens padrão em LGBT, como a Valkyria, confirmada para ser a primeira personagem lésbica no universo cinematográfico da Marvel e a representatividade racial são pontos essenciais para entender como a cultura dos super heróis reflete na nossa percepção. A adesão das novas ideias, mostram que o que é considerado padrão está mudando<br><br></p></div>