Justiça do Japão apresenta nova acusação contra Carlos Ghosn


Executivo brasileiro está preso provisoriamente desde 4 de abril e prazo termina nesta segunda-feira (22). Advogados dizem que farão pedido de liberdade sob fiança. Em vídeo de 7 minutos, gravado antes de sua nova prisão, Carlos Ghosn voltou a se declarar inocente e afirma ser vítima de uma conspiração
Reprodução
Promotores japoneses apresentaram nesta segunda-feira (22) uma nova denúncia contra o executivo brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente das montadoras Nissan e Renault. A acusação, a quarta contra o empresário desde novembro do ano passado, é sobre má gestão de fundos através de uma empresa com sede em Omán.
O empresário está preso desde o último dia 4 de abril e o prazo desta prisão provisória termina nesta segunda-feira, mas com essa nova denúncia o brasileiro pode permanecer sob custódia.
De acordo com a imprensa japonesa, os advogados de Ghosn adiantaram que preparam um pedido de liberdade sob fiança.
Promotores japoneses apresentam nova denúncia contra empresário Carlos Ghosn
Acusado de má conduta financeira, o brasileiro foi preso pela segunda vez em sua casa, em Tóquio no início do mês. Fazia menos de 1 mês que ele aguardava o julgamento em liberdade, sob uma série de restrições, após pagar uma fiança milionária.
O primeiro período do executivo na prisão durou 108 dias e começou em novembro passado, quando o escândalo veio à tona. O brasileiro, então considerado um “superstar” no setor automotivo e comandante da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, foi acusado de violações financeiras, quebra de confiança e de repassar dívida pessoal à Nissan.
Carlos Ghosn preso: o que se sabe até agora
Procuradores também disseram que Ghosn deu US$ 5 milhões de prejuízo à Nissan durante um período de 2 anos e meio, que se estendeu até julho de 2018, violando sua obrigações legais com a empresa e visando o ganho pessoal.
Segundo a agência de notícias Kyodo, o prejuízo envolve a transferência de fundos por meio da subsidiária a conta de uma concessionária de Omã que, na prática, pertence a Ghosn, chamada Suhail Bahwan Automobiles (SBA).
Ghosn nega irregularidades e diz que foi vítima de um complô por parte dos diretores da Nissan, que não concordavam com a intenção dele de fusão com a Renault.
A defesa dele divulgou um vídeo gravado antes da segunda prisão, em ele reafirma ser inocente. A mulher de Ghosn, Carole, pediu ajuda da França e dos Estados Unidos para que o marido tenha um “julgamento equilibrado” e criticou o tratamento dado pelas autoridades japonesas ao brasileiro.
Initial plugin text