Juiz emite ordem de restrição temporária contra criadores de ‘tênis de satanás’ de Lil Nas X


Nike processou um coletivo de arte por seus ‘Satan Shoes’, produzidos em colaboração com rapper e vendidos por US$ 1.018. Coletivo de arte MSCHF lançou 666 pares customizados de tênis Nike em colaboração com o rapper Lil Nas X; a marca não gostou.
Divulgação/MSCHF
Um juiz federal dos Estados Unidos emitiu nesta quinta-feira (1º) uma ordem de restrição temporária contra os criadores dos “Satan Shoes”, produzido em parceria com o rapper Lil Nas X, uma versão modificada de um tênis da Nike.
O coletivo de arte MSCHF lançou 666 pares dos calçados na segunda-feira (29). Segundo os criadores, os pares se esgotaram em menos de um minuto.
Os tênis de US$ 1.018 (R$ 5,8 mil), que apresentam uma cruz invertida, um pentagrama e as palavras “Lucas 10:18”, foram feitos usando o Nike Air Max 97s modificado.
A fabricante alegou violação de marca registrada e abriu com um processo contra os criadores.
De acordo com a revista “Hollywood Reporter”, a Nike afirmou que os “tênis de satanás” danificaram a reputação da empresa.
Os advogados do MSCHF montaram a defesa atrás da Primeira Emenda da Constituição americana, que defende a liberdade de expressão. Eles alegam que a versão se trata de uma obra de arte, comprada por colecionadores.
O coletivo afirma que todos os pares produzidos, menos um, já foram enviados aos compradores. Como não há planos de fazer mais, a ordem de restrição é desnecessária.