John Amplificado: novo astro do forró foi criado e planejado em escritório sertanejo de Goiânia


Pernambucano de ‘Chega e senta’, hit nº1 no Brasil, mudou até de nome e teve sucesso arquitetado por 5 meses na maior empresa sertaneja do país, que hoje aposta também no forró. John Amplificado
Divulgação
As paradas brasileiras têm cada vez mais sucessos repentinos, que surgem do nada e revelam artistas que nem tinham estrutura no mercado. Este não é o caso de “Chega e senta”, música que disparou e sentou no primeiro lugar do ranking de streaming do Brasil há duas semanas.
O cantor pernambucano John Amplificado não era um nome nacional. Mas o sucesso está longe de ser uma surpresa. O hit é resultado de cinco meses de planejamento de marketing, músicas feitas sob medida por compositores experientes e trabalho cuidadoso em redes sociais.
A montagem do artista teve até mudança de nome. Ele fazia shows pelo Nordeste por onze anos como John Geração. No início de 2021, foi contratado pela Workshow, escritório de Marília Mendonça, Maiara e Maraisa, Henrique & Juliano, Zé Neto & Cristiano e outros ídolos sertanejos.
O escritório goiano investe agora também no forró, estilo que tem superado o sucesso do sertanejo. No fim de 2020, a Workshow contratou o cearense Matheus Fernandes, do hit “Baby me atende”.
Com John, rebatizado de Amplificado, o caso não é só de aposta, mas de construção de um ídolo.
John Amplificado
Divulgação
Ex-John Geração
“Construir a marca John Geração foi uma coisa que durou muito tempo. Na hora que foi para mudar o nome, não vou mentir para você, doeu um pouco em mim”, diz John. Nascido Jonatas Siqueira Romão Araújo, no Recife, ele canta desde os 14 anos.
“Mas, por todo o contexto, a gente quis criar um produto novo, um artista novo, com uma identidade musical e visual novas. A gente dedicou muito tempo para isso”, diz John.
“John Amplificado tem muito do John Geração”, explica o cantor, falando de si terceira pessoa. “O som dele é mais jovem, um pouco mais tecnológico. Até questão de timbre, idealização de música. A gente criou para entrar no contexto do mundo de hoje”, ele define.
“O projeto foi pensado para pegar esse público novo da internet. O John Amplificado foi criado como um cara novo, para estar próximo das redes sociais. Eu tenho 25 anos”, ele termina o discurso em primeira pessoa.
John Amplificado
Divulgação
Pisadinha firme
“A gente já tinha o TikTok na cabeça, queria fazer um produto que entrasse na plataforma. Mas a gente não sabia que ia sair melhor que a encomenda. Nenhum dos sócios imaginou que em duas semanas ia estar no topo do Spotify.”
A empresa John Amplificado Produções Artísticas foi registrada em Goiânia em julho de 2021. O sócio-controlador é Wander Oliveira, dono da Workshow. Os outros sócios são o próprio John e seu antigo empresário, Jalerson de Moura Gonçalves.
Em entrevista ao G1 em maio de 2021 sobre o sucesso da pisadinha, o forró de teclado, Wander disse: “Não acredito que a pisadinha seja um ritmo que veio para ficar.” O que não se sabia é que, ao mesmo tempo, ele estava investindo nessa criação de um astro da pisadinha em Goiânia.
John Amplificado
Divulgação
Recriação total
“Tudo começou quando eu assinei contrato com a Workshow, e a gente começou a idealizar o projeto. Tudo foi feito dentro do escritório – todo o nosso planejamento. Teve profissionais de marketing, de assessoria de imprensa, especialistas em internet. Tudo o que a gente fez foi muito bem pensado.”
O projeto é pensado em todos os setores, inclusive o visual. No dia da entrevista, John tinha acabado de fazer uma cirurgia estética na gengiva, para aumentar a área visível dos dentes.
A primeira música foi feita sob medida por um dos principais compositores e produtores de Goiânia. Jenner Mello tem indicações ao Grammy Latino por produções de Simone & Simara e Day & Lara, e compôs hits como “Seu polícia”, de Zé Neto e Cristiano.
Para o projeto do forrozeiro da Workshow, Jenner ainda chamou seu filho, Jeninho, e os compositores João Pedroni, Raffa Libi e Vinny Peres. John Amplificado já tem pronta a próxima música de trabalho e mais um DVD com 12 faixas.
“Não foi uma música que eu escutei deles e gostei. Fui para o estúdio, conversei com eles, disse como imaginava que seria, como queria que fosse o projeto do John Amplificado. Eles tentaram duas, três vezes, e chegaram a essa música. Para você ter noção de como a gente pensou muito no projeto”, diz.
John Amplificado
Divulgação
Sertanejo sentiu o tapão?
E os sertanejos estranharam um forrozeiro no ninho deles? “A maioria das pessoas tinham o ouvido mais calejado para o sertanejo, aquelas músicas mais românticas, mais bonitas. E eu vim numa contramão completa”, diz John.
A música segue a onda atual de falar sobre tapa na bunda no funk e no novo forró (vide “Tapão na raba”, de Raí Saia Rodada). “Até o tapa é diferente / Deixa marca na sua bunda / E o seu corpo quente”, canta John em “Chega e senta”.
Apesar da diferença nas letras, ele diz que teve muito apoio. “A gravadora (Virgin, parceira da Workshow) tem pessoas novas no comando. Elas vivem num mundo digital, sem restrição. Ela sabe o que está em alta, sabe o que precisa ser feito. Então a equipe não sentiu tanto”, diz.
John Amplificado
Divulgação
Amigos da firma
“Acho que as pessoas ficaram curiosas. O cara sempre trabalhou com sertanejo, é conhecido por isso, e agora está pegando artistas nordestinos, do forró? Será que vai dar certo? Então teve muita curiosidade no mercado. Mas restrição, barreiras, eu não senti”, ele descreve.
Um dos maiores impulsos para “Chega e senta” se espalhar na internet foi um vídeo postado por Henrique, da dupla com Juliano, colega da Workshow, cantando a música em um boteco.
“Fazer artistas nacionais a Workshow já sabia. Como ia andar, não sabíamos. Claro que a velocidade surpreendeu”, ele comemora. “Hoje, as portas do Brasil estão escancaradas para o Nordeste. E isso ajuda muito”, acrescenta.
Entenda por que o sertanejo saiu do pódio