Jogadoras de futebol do Afeganistão partem para o Reino Unido com ajuda de Kim Kardashian


Regime extremista islâmico do Talibã proíbe o esporte feminino, e há relatos de violências contra as esportistas que ficaram em solo afegão. Uma bandeira do Talibã é colocada na frente de uma motocicleta em Cabul, Afeganistão, em foto de 28 de setembro de 2021
Bernat Armangue/AP
Trinta e cinco jogadoras da seleção feminina de base do Afeganistão e suas famílias, um total de 130 pessoas ameaçadas em seu país pelo retorno ao poder do Talibã, chegaram ao Reino Unido nesta quinta-feira (18) em um voo financiado pela estrela americana Kim Kardashian.
As atletas, que perderam a ponte aérea organizada em Cabul em agosto, viviam com medo no Afeganistão com suas famílias depois que o Talibã assumiu o poder. O regime extremista islâmico não permite a prática do esporte feminino e chegou a executar uma jogadora de vôlei da seleção júnior do país.
LEIA TAMBÉM
Como era a vida das mulheres antes do Talibã no Afeganistão
Extremistas tiram ministério da Mulher e recriam pasta que aplica leis rígidas do Islã
Mulheres tentam resistir em reduto tomado pela milícia Talibã
COI diz que ajudou atletas do Afeganistão a deixarem o país
Afeganistão: entenda os riscos para as mulheres sob o regime talibã
Nesta quinta-feira, elas pousaram no aeroporto de Stansted, em Londres, de acordo com a Fundação ROKiT, que as ajudou a deixar o Afeganistão. Segundo a agência britânica PA, as atletas viajaram para o Reino Unido em um voo financiado pela estrela do reality show Kim Kardashian.
Siu-Anne Gill, CEO da Fundação ROKiT, ficou “muito tocada com a bravura dessas meninas”, acrescentando que espera que a família do futebol as ajude nesta “segunda chance em suas vidas”.
Estudante afegã conta o que mudou na rotina após a chegada do Talibã
Apoio do Leeds
As jovens jogadoras receberam o apoio do Leeds United, cujo dono, Andrea Radrizzani, disse em um comunicado estar “encantado” com a chegada do time ao Reino Unido.
“Isso mostra o poder do futebol e do esporte em geral, como uma força para o bem e como a comunidade do futebol é capaz de colaborar e se mobilizar para salvar vidas”, acrescentou.
O Leeds propôs receber essas jogadores nas categorias de base para lhes dar “um futuro próspero”.
“Como as outras pessoas que trouxemos do Afeganistão para o Reino Unido, as meninas da equipe feminina afegã serão calorosamente recebidas, apoiadas e acomodadas”, disse um porta-voz do governo britânico.