Intoxicação por comida estragada afeta 230 pessoas em Cancún

Pessoas intoxicadas comeram um prato chamado chilaquiles

Pessoas intoxicadas comeram um prato chamado chilaquiles
Pixabay

As autoridades de saúde do estado de Quintana Roo, no México, informaram nesta quinta-feira (18) que 230 pessoas tiveram que receber atendimento médico por intoxicação alimentar após a ingestão de comida estragada durante um congresso religioso no balneário de Cancún.

Em entrevista coletiva, Homero León Pérez, funcionário da Secretaria Estadual de Saúde de Quintana Roo, onde fica o balneário, detalhou que 230 pessoas receberam atendimento médico por intoxicação alimentar, e a maioria delas já recebeu alta.

Leia também: Lavar frango ‘aumenta risco de intoxicação alimentar’

Os intoxicados são jovens com entre 14 e 18 anos que participavam de um congresso religioso e que, de maneira inicial, receberam atendimento médico no local.

Segundo os organizadores da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pertencente ao grupo dos mórmons, havia cerca de 500 pessoas no evento religioso.

Saiba mais: Refeição em self-service requer atenção para evitar contaminações

Neste momento, as autoridades de saúde estão recolhendo amostras dos alimentos que os adolescentes consumiram para enviá-las ao laboratório e definir a origem do problema, o que deverá levar ao menos três dias.

De acordo com León Pérez, os jovens intoxicados comeram chilaquiles (omeletes de milho frito) com frango no café da manhã e carne de porco com verduras pela tarde.

Veja também: Botulismo: o que é e como evitar a intoxicação alimentar que pode levar à morte

O diretor de um dos hospitais onde os jovens estão sendo atendidos assinalou que os mesmos apresentaram diferentes problemas gastrointestinais.

A maioria dos jovens é de Cancún, mas também há gente de outras cidades de Quintana Roo e do estado vizinho de Iucatã.

Saiba o que leva à intoxicação alimentar e como preveni-la: