Institutos federais vão manter pagamento de benefícios e progressões de carreira após ofício do MEC vedar gastos com pessoal


Novas contratações de professores deverão ser analisadas caso a caso, afirma Conif. Os pagamentos de progressões de carreira e benefícios de professores e servidores dos institutos federais de ensino serão mantidos, mesmo após o Ministério da Educação (MEC) encaminhar um ofício vedando gastos com pessoal que não estejam previstos no orçamento.
A declaração foi dada em entrevista ao G1 por Jadir Jose Pela, presidente do Confis, entidade que representa 28 institutos federais, dois Cefets e o Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro.
Os reitores entraram em acordo após passarem dois dias em reunião tentando esclarecer as dúvidas a respeito do ofício do MEC.
O documento foi enviado no dia 4 de fevereiro e dizia que as instituição deveriam “observar a legislação” ao promover “novos atos que aumentem as despesas com pessoal ativo e inativo”, incluindo “benefícios e encargos à servidores e empregados públicos” e “abster-se de realizá-las em montantes cujos totais não estejam devidamente autorizados”.
Ofício do MEC veda contratação de professores
Reprodução/G1