Incidência de herpes zoster oftálmica cresce entre os mais velhos


Estudo feito nos EUA mostra que o número de casos triplicou em 12 anos De acordo com o Kellog Eye Center, que pertence à Universidade de Michigan, o número de casos de herpes zóster oftálmica em idosos triplicou nos últimos 12 anos. A pesquisa foi apresentada no encontro anual da Associação para a Pesquisa sobre Visão e Oftalmologia, ocorrido em Vancouver entre o fim de abril e começo de maio. O autor do estudo, o médico Nakul Shekhawat, alertou para os riscos da doença, que pode acarretar sérios problemas, especialmente para os mais velhos.
O herpes-zóster, popularmente conhecido como cobreiro, já foi tema deste blog. É causado pelo vírus Varicella zoster, o mesmo da catapora, que fica em estágio latente, como se estivesse “adormecido”, em quem teve a doença na infância. A partir da meia-idade, aumentam as chances de ser reativado. Na faixa dos 80 anos, há 50% de possibilidade de uma pessoa desenvolver o quadro.
Nos casos de herpes zóster oftálmica, estruturas atrás da córnea podem inflamar e a pressão intraocular aumentar
https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=26526221
Os primeiros sintomas podem ser formigamento e manchas vermelhas. Em seguida, surgem vesículas (com líquido dentro) que vão se agrupando numa erupção cutânea bastante dolorosa e que normalmente atinge um só lado do corpo. Se a lesão acomete a testa e o nariz, o risco de alcançar os olhos cresce – entre 10% a 20% dos pacientes têm essa complicação. Estruturas atrás da córnea podem inflamar e a pressão intraocular aumentar. Por isso a vacina é tão recomendável para quem passou dos 50, mesmo que o indivíduo tenha tido catapora ou herpes zóster.
Os pesquisadores do Kellog Eye Center descobriram que, além da proliferação do número de casos entre 2004 e 2016, mulheres e adultos acima dos 75 anos são os grupos com maior taxa de infecção. No caso de complicações acarretadas pela doença, o transplante de córnea pode ser a opção de tratamento.