Impasse EUA-China ajuda a derrubar preço da soja em MS: 6,65% em uma semana


Desde domingo, EUA aumentou tarifas de 10% para 25% sobre importação de produtos chineses, o que afetou cotações dos contratos na bolsa de Chicago e refletiu também no mercado brasileiro.
Queda das cotações da soja no mercado internacional refletiu nos preços em Mato Grosso do Sul
Reprodução/TV Morena
No período de uma semana, entre 29 de abril e 6 de maio, o preço médio da saca de soja caiu 6,65% em Mato Grosso do Sul. Recuou de R$ 66,69 para R$ 62,25, segundo a mais recente circular do Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (SIGA), da Aprosoja/MS e Sistema Famasul.
Entre as oito praças pesquisadas no estado, a maior desvalorização no período foi registrada em São Gabriel do Oeste, onde a saca chegou a ser cotada no dia 6 de maio a R$ 60.
Na comparação da cotação de maio de 2019 com o mesmo mês de 2018, quando a saca era comercializada em média a R$ 74,04 no estado, o recuo é de 13,95%.
Segundo análise técnica da circular, a movimentação baixista dos preços no mercado interno é reflexo da situação externa. Está ocorrendo uma forte desvalorização nos contratos futuros da oleaginosa na bolsa de Chicago, nos Estados Unidos. Os papéis com vencimento em maio tiveram queda de 3,54%; os de julho, 3,54%; os de agosto, 3,66% e os de setembro 3,36%.
A queda, conforme a circular, ocorre em razão do impasse comercial entre China e Estrados Unidos. A situação se agravou depois do presidente norte-americano, Donald Trump, determinar desde domingo passado (5) um aumento de 10% para 25% das tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos importados da China.
Segundo levantamento da Granos Corretora, até o dia 6 de maio, os produtores sul-mato-grossenses já haviam comercializado 60,07% da safra 2018/2019. O percentual é levemente superior ao registrado no mesmo período da safra passada, que foi de 58,17%.