IBGE sobe previsão de safra de café do Brasil em 2019 a 53,9 milhões de sacas


Produção deve cair 10% em relação a 2018, mas ainda é forte para período negativo no ciclo da cultura, que produz muito durante um ano, e menos no seguinte. Produção do café arábica foi estimada pelo IBGE em 38,7 milhões de sacas de 60 kg, aumento de 1,3% em relação ao mês anterior
Reprodução/Globo Rural
O Brasil deverá produzir 53,9 milhões de sacas de 60 kg de café em 2019, estimou nesta quinta-feira (11) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em um ajuste de cerca de 1% frente à previsão divulgada em março, motivado por uma maior colheita do arábica.
Segundo o instituto, a produção total do país, maior produtor e exportador de café, cairá 10% na comparação com o ano passado.
“Apesar da queda, essa é uma boa produção para ano de bienalidade negativa para o café arábica”, comentou o IBGE em nota. Em 2018, ano positivo no ciclo da cultura, o país produziu um recorde de mais de 60 milhões de sacas.
Outro órgão do governo, a Conab, estimou em janeiro a produção de café do Brasil em recorde para anos de bienalidade negativa, com um volume entre 50,48 milhões e 54,48 milhões de sacas.
Produção por variedade
A produção do café arábica foi estimada pelo IBGE em 38,7 milhões de sacas de 60 kg, aumento de 1,3% em relação ao mês anterior. Frente a 2018, a produção dessa variedade deverá cair 13,8%, em decorrência da redução de 15,4% na produtividade média.
“Em março, São Paulo (segundo produtor de arábica do país atrás de Minas Gerais) elevou sua estimativa de produção em 9,5%… participando com 12,8% do total a ser colhido”, afirmou o IBGE, citando safra paulista de 5 milhões de sacas.
Já a produção mineira deve alcançar 27,3 milhões de sacas, com Minas Gerais registrando participação de 70,6% do total a ser produzido, segundo o IBGE.
A safra brasileira de café robusta (conilon) foi estimada em 15,2 milhões de sacas de 60 kg, sem variação em relação ao mês anterior. Contudo, em relação a 2018, será 1,6% maior, com a produção do Espírito Santo prevista em 10,1 milhões de sacas de 60 kg – o Estado é responsável por 66,4% da produção nacional dessa variedade.
A estimativa das produções de Rondônia e Bahia foram de 2,4 e 2,2 milhões de sacas de 60 kg, respectivamente. Juntos, esses Estados, incluindo o Espírito Santo, devem responder por 96,3 da produção brasileira de café conilon em 2019.
Qualidade alta x preço baixo
A qualidade do café produzido pelo Brasil vem melhorando graças aos esforços dos produtores, cada vez mais conscientes da necessidade da agregação de valor à sua produção.
O IBGE lembrou que os produtores estão apreensivos com os preços do produto, oscilando perto de mínimas de 13 anos na bolsa de Nova York, em função da grande oferta no mercado, após a safra recorde do Brasil. Os valores chegam a ficar abaixo do necessário para cumprir com os compromissos assumidos com as lavouras.