Honda CB 650R não é nova Hornet, mas empolga na pilotagem


G1 andou antecipadamente na moto, que chega ao Brasil no início de 2020, e é principal destaque do Salão Duas Rodas 2019. Modelo ficou mais esportivo, com suspensão invertida, e visual que mistura retrô e moderno. A Honda CB 650R fez sua estreia no Brasil nesta segunda-feira (18), no dia de apresentações para a imprensa no Salão Duas Rodas 2019. Ainda sem preço definido, o modelo chega ao mercado brasileiro no primeiro trimestre de 2020, mas o G1 já andou antecipadamente na moto na Itália.
ACOMPANHE todas as informações do salão
O modelo chega com a missão de ser a nova naked de média cilindrada da marca, substituindo a CB 650F e tomando um lugar que já foi da lendária Hornet. Quando saiu de linha, em 2014, o modelo acabou deixando uma legião de fãs que não viram na CB 650F uma herdeira à altura.
Mas será que a CB 650R pode ser uma “nova Hornet”? Pelo menos no nome ainda não, mas o modelo ficou mais refinado e esportivo, por isso a adoção do “R” (Racing) no final, no lugar do “F” (Fun).
Na versão europeia avaliada, a moto chega a 95 cavalos de potência com seu motor renovado, ganhou suspensão dianteira do tipo invertida, controle de tração e ficou 6 kg mais leve.
Ainda não foram divulgados todos os detalhes da “CB 650R brasileira”, mas a Honda adiantou que, devido à legislação de ruídos do Brasil, a nova CB 650R chegará a 88,4 cavalos, ou seja, 0,1 cv a menos que a atual CB 650F.
4 coisas que só quem andou na CB 650R sabe:
Nova suspensão dianteira do tipo invertida deixa a moto estável para uma pilotagem mais esportiva;
Motor ficou mais forte em sua versão europeia e exige menos trocas de marchas para as retomadas;
Posição de pilotagem é esportiva, mas também confortável.
Moto é muito ágil e compacta, com uma condução prazerosa.
qu
Divulgação/G1
COMO ERA A CB 650F:
Honda CB 650F 2019
Honda/Divulgação
COMO FICOU A CB 650R:
Honda CB 650R
Divulgação
Viajando na chuva
O roteiro para avaliar a CB 650R saiu de Roma e foi em direção ao sul da província Latina, pelo interior do país. No começo, em um dia chuvoso, pegamos autoestradas e, sem a proteção aerodinâmica, como é natural de uma naked, o jeito foi encarar a chuva de cara (e peito) aberto.
Com seu novo motor de 95 cavalos, a moto em sua versão europeia garante rendimento mais que suficiente para manter uma velocidade de cruzeiro com conforto. Além da maior potência, o quatro cilindros está com uma entrega mais linear de sua força.
Apesar de manter a mesma base do motor da CB 650F, ele foi atualizado, com alterações na admissão e exaustão. Novos dutos levam mais ar ao motor e sua rotação máxima atinge os 12.000 rpm na moto europeia – 1.000 rpm a mais que o modelo anterior
Com o aguaceiro em seu auge, também deu para perceber com o novo painel 100% digital proporciona uma fácil visualização dos indicadores.
Com controle de tração, Honda CB 650R se sai bem na chuva
Divulgação
O percurso foi mudando o seu visual, a planície anterior começou a dar lugar a regiões montanhosas e serrinhas. Depois de uma breve passagem pelo lago de Nemi, e seu simpático vilarejo, a rota prosseguiu até a comuna de Sermoneta, literalmente encrustada em uma montanha.
Apesar de a chuva começar a dar uma pequena trégua, o asfalto ainda estava liso para a subida e foi interessante ver a atuação do controle de tração. O dispositivo também é uma novidade para a CB 650R e foi muito bem-vindo para evitar a derrapagem da roda traseira.
Honda CB 650R
Divulgação
No piso liso, o sistema de embreagem deslizante foi muito bem-vindo, evitando que a roda traseira travasse em reduções de marchas, além de as trocas de marchas ficarem mais suaves com a embreagem assistida.
A moto estava com sistema de “quick-shifter”, que também será um opcional no Brasil, o que permite fazer as trocas de marchas, para aumentá-las, sem a necessidade de usar a embreagem.
Honda CB 650R é a substituta da CB 650F
Divulgação
Mais esportiva nas curvas
Apesar de a maior potência chamar atenção, a suspensão dianteira do tipo invertida é outro fator muito importante nesta nova CB 650R. Em relação as mais comum suspensão do tipo telescópica, ela proporciona mais estabilidade.
Honda CB 650R
Divulgação
Na descida da serra de Sermoneta, a chuva finalmente nos deu uma trégua. Por estar 6 kg mais leve, a CB 650R ficou ainda mais ágil que a CB 650F, e mais prazerosa de inclinar nas curvas. A moto é realmente compacta, e a centralização de massas está bem distribuída.
Ao pilotar a CB 650R a impressão é de estar em um moto menor, mas a lembrança de se tratar de um modelo de média para alta cilindrada vem ao acelerar o motor. Essa redução de peso veio, principalmente, pela renovação do chassi e também o tanque novo.
Com novo desenho, o armazenamento ficou 1,9 litro menor em relação à CB 650F, passando de 17,3 litros para 15,4 litros.
Painel da nova Honda CB 650R
Divulgação
Hornet retrô?
Como o próprio presidente da Honda na América do Sul, Issao Mizoguchi já declarou, o nome Hornet está guardado para o futuro, e se a marca não o usou na CB 650R, existe um bom motivo para isso.
Com a nova linha Neo Sport Cafe, que também tem a CB 1000R, vendida no Brasil, e as pequenas CB 300R e CB 125R, que não estão presentes no mercado brasileiro, a Honda misturou um estilo moderno e retrô, o que combinaria com a Hornet.
Honda CB 650R tem suspensão do tipo invertida na dianteira
Divulgação
Além de um visual mais bem trabalhado, a CB 650R ficou realmente melhor de pilotar, com um conjunto mais esportivo. A má notícia, realmente, é a perda de potência da versão brasileira.
G1 avaliou a nova Honda CB 650R
Divulgação
VEJA MAIS IMAGENS DA CB 650R:
Honda CB 650R
Divulgação
Manopla esquerda da Honda CB 650R
Divulgação
Manopla direita da Honda CB 650R
Divulgação
Motor de 4 cilindros da Honda CB 650R
Divulgação