Homem é condenado por não avisar parceiras que é portador de HIV

HIV pode ser diagnosticado por exame rápido de sangue

HIV pode ser diagnosticado por exame rápido de sangue
Arquivo/Agência Brasil

Um homem de 27 anos foi condenado em Pensacola (Flórida, Estados Unidos) a dez anos de prisão, mais cinco de liberdade condicional, por ter tido relações sexuais sem advertir suas parceiras de que era portador do vírus da Aids, informaram nesta quarta-feira (31) os meios de comunicação locais.

Rasheem Ikey Bodiford soube que era soropositivo em setembro de 2016, mas não disse a duas mulheres com quem teve relações sexuais no primeiro ano desde que soube do seu diagnóstico.

Leia também: “Vírus HIV pode ser controlado, discriminação, não”, diz soropositivo

Uma dessas mulheres disse à polícia do condado de Escambia em junho de 2017 que, quando soube por um exame que tinha o vírus, se lembrou que viu que Bodiford, seu último parceiro sexual, tinha em sua casa um medicamento para tratar o HIV.

Quando questionado por isso, Bodiford disse que os remédios eram de um tio e que iria vendê-los.

O homem foi condenado na última sexta-feira (26), em uma das primeiras penas por este motivo na Flórida.

Saiba mais: Cientistas conseguem eliminar o HIV de todo o genoma pela 1ª vez

O procurador do estado, Bill Eddins, disse ao jornal Pensacola News Journal que em abril foi realizada uma audiência para determinar se Bodiford era um risco para as pessoas, pois de outro modo, sob o código penal atual, não poderia ser privado de sua liberdade pelo crime do qual foi acusado. Mesmo assim, o júri o considerou culpado.

Brasil tem o maior número de casos de HTLV do mundo, o primo do HIV: