Henrique Albino segue por trilhas tortas em álbum gravado com quarteto do saxofonista


♪ Está lá em qualquer dicionário de língua portuguesa: troncho é o adjetivo que designa torto, tortuoso ou, em sentido figurado, ponto fora da curva.
O saxofonista, flautista e arranjador pernambucano Henrique Albino não somente caracteriza a música que faz como troncha, como expõe esse caráter atípico no título do primeiro álbum, Música tronxa, cujo nome subverte a regra gramatical ao exibir o adjetivo escrito com ‘x’ quando a grafia oficial aceita somente a palavra troncha.
Disponível nos players digitais desde 15 de abril, com capa que expõe foto de Felipe Schuler enquadrada na arte do designer Lucas Emanuel, o álbum Música tronxa junta Henrique Albino com os músicos Felipe Costta (acordeom), Filipe de Lima (baixo) e Silva Barros (bateria).
Foi como Henrique Albino Quarteto que o grupo gravou em estúdio do Recife (PE), entre 13 e 14 de janeiro, os seis temas – Apofenia, Diafragmas, Bugando, Claranã, Salto quântico e Solo tronxo nº 1 – que compõem o repertório do disco produzido por Albino com Dom Angelo Mongiovi e Bruno Vitorino.
A edição do álbum Música tronxa é da Boa Vista Jazz Records.