Harley-Davidson Touring 2019: primeiras impressões


Nova central multimídia “imita” tablet para deixar motos mais tecnológicas. Sistema ficou intuitivo, mas espelhamento é apenas com produtos Apple. Harley-Davidson aposta na interatividade com a linha Touring
A Harley-Davidson já definiu como deverá ser parte de seu futuro: com motores elétricos e modelos mais leves. Mas antes que isso se torne uma realidade, sua primeira moto elétrica chega ao mercado ainda esse ano, a montadora resolveu modernizar sua linha mais tradicional.
Harley vai lançar moto de baixa cilindrada e modelo aventureiro
Com motos pesadonas e destinadas a longas viagens, a linha Touring carrega que há de mais clássico nos modelos da marca e, antes da chegada da elétrica, o que há de mais moderno também.
Para a linha 2019, a principal novidade para os modelos está na central multimídia de 6,5 polegadas, que virou uma espécie de “iPad” no painel da moto, e tem conectividade com CarPlay.
No Brasil, a nova central é equipamento de série em toda linha, com exceção da Road King Special, que não tem o dispositivo por ser a mais leve da família, com seu projeto mais esguio, não comportaria a tela.
Ainda como novidade, todas as motos da linha touring passam a contar com o motorzão Milwaukee-Eight 114, de 1.868 cc, substituindo 107, de 1.750 cc.
Harley-Davidson Road Glide Special 2019
Harley-Davidson/Divulgação
Veja os preços da linha touring:
Road King Special: R$ 83.400
Street Glide Special: R$ 96.400
Road Glide Special: R$ 98.400
Road Glide Ultra: R$ 102.900
Ultra Limited: R$ 103.900
Concorrente top de linha das marcas
G1/Divulgação
Evoluindo aos poucos
Não é esperado que as touring da Harley ganhem uma nova geração completa de um ano para outro. Sempre mantendo as características raiz, elas vão sendo como que lapidadas. Mas nos últimos tempos, acabaram passando por grandes transformações.
Em 2015, veio a chegada da primeira central multimídia e, no ano seguinte, os motores ficaram mais modernos e vibrando menos. Dessa vez, a ideia foi deixar a tal da tela de entretenimento e informações mais fácil de usar e ampliar sua compatibilidade.
Harley-Davidson Street Glide Special
Harley-Davidson/Divulgação
Telas como essa não são muito comuns nas motos, apenas os modelos estradeiros topo de linha, como BMW K 1600 GTL e Honda Gold Wing tem equipamentos similares. A Indian também conta com centrais interessantes, mas a marca americana deixou de atuar no Brasil em 2018.
Mas a Harley traz essa novidade de pareamento com a Apple, que já está presente também na Gold Wing.
Parear, só para Apple
No caso da Harley, com o sistema chamado de Boom Box GTS, a grande novidade é a possibilidade de pareamento com iPhone por meio do sistema CarPlay. Intuitivo e fácil de conectar, basta ligar o smartphone por meio de cabo na entrada USB ou por Bluetooth.
Rapidinho, todas as suas músicas estão lá acessíveis, além de outras funcionalidades do celular, e também dá para espetar um pen drive com suas canções favoritas, além de sintonizar rádios AM e FM.
Central multimídia Boom Box da Harley-Davidson promete funcionar como um tablet
Harley-Davidson/Divulgação
O ponto negativo é que ainda não há compatibilidade com Android, assim, quem tem este tipo fica com as funções limitadas. Até dá para ouvir as suas músicas, mas todos os comandos são feitos direto pelo smartphone, o que prejudica em uma viagem.
A Harley afirma que existe um plano para que suas motos possam ser pareadas com Android, porém, ainda não há uma data para que isso se torne realidade.
Sobre a qualidade do som, as caixas têm uma boa qualidade de transmitem uma gama de ampla de agudos e graves. No caso da Ultra Limited e Road Glide Ultra, modelos top de linha das touring, elas estão equipadas com 4 alto-falantes de 25W cada, o que contribui ainda mais para poder curtir bem o som.
Motorzão melhora, mas ainda esquenta
Os motores da Harley evoluíram demais nos últimos tempo. A família Milwaukee-Eight deu um melhor funcionamento geral para as motos, uma entrega mais linear e até encaixes mais suaves nas trocas de marchas.
Para 2019, a novidade é que todas as touring passam a contar com o maior de todos , o 114. Esse numeral se refere a medida usada pela marca para o tamanho do motor em polegadas cúbicas, que é equivalente a 1.868 cc de cilindrada.
Antes, o motorzão era restrito apenas aos modelos CVO, linha de motos “customizadas de fábrica da Harley, mas agora chega a toda linha touring. Como de costume, a montadora não divulga o número de potência de seu motor, mas diz que o 114 tem 5% de torque.
Harley-Davidson Street Glide Special
Harley-Davidson/Divulgação
Parece até pouco de aumento, mas para motos que pesam cerca de 400 quilos, isso faz toda a diferença. Durante o roteiro de mais de 300 km na península de Yucatán, no México, a força extra deixou a moto desenvolver na estrada com mais conforto, sem muito esforço, o que é ideal para esse tipo de moto. Isso também ajuda em subidas, apesar de a região mexicana ser bem plana.
Mesmo com a evolução de desempenho, o calor excessivo ainda é notado nessas Harley. Ainda existe uma vantagem nas motos que contam com refrigeração líquida, no caso, Ultra Limited e Road Glide Ultra.
Isso traz um resfriamento extra para o motor, porém, todo o aparato para o sistema, deixa ambas as motos com uma grande proteção aerodinâmica, o que significa menos ar fresco chegando ao motociclista. O que não acontece nas mais “arejadas” Road Glide Special, Street Glide Special e Road King Special.
Harley-Davidson Road King Special
Harley-Davidson/Divulgação
Harley ainda é opção mais ‘acessível’
Com diferentes tamanhos, propostas e pacotes, a linha touring acaba atingindo uma ampla gama de consumidores. Desde a mais “levinha” Road King Special a grande estradeira Ultra Limited, elas acabam sendo alternativas para quem quer pegar a estrada e fazer longas viagens, sem pressa, e curtindo o rolê.
Mesmo com a evolução dos motores da H-D, eles ainda devem em desempenho em relação às concorrentes e ainda não vimos a chegada de um aguardado controle de tração.
Como possíveis rivais aparecem em uma faixa de preço superior, as motos da marca norte-americana continuam sendo o melhor custo-benefício desse segmentos, mas devem em tecnologia para as rivais.
Harley-Davidson Ultra Limited
Harley-Davidson/Divulgação