Guinga revolve memórias da infância em álbum, ‘Zaboio’, produzido e mixado por Kassin


Programado para 10 de junho, dia do 71º aniversário do artista, o disco tem repertório inédito, inclui tributo a Sergio Mendes e traz a voz de Mônica Salmaso em duas músicas. ♪ Guardião modernista das mais nobres tradições da música brasileira, o carioca Guinga em tese habita galáxia distante do universo do conterrâneo Alexandre Kassin, produtor que deu o tom da música pop contemporânea feita a partir dos anos 2000 no Rio de Janeiro (RJ) e exportada para o Brasil através de discos de artistas como Adriana Calcanhotto. Por isso mesmo, é surpreendente o encontro fonográfico entre Guinga e Kassin no álbum Zaboio.
Programado para ser lançado nos aplicativos de música em 10 de junho, dia do 71º aniversário de Guinga, o álbum gravado pelo cantor, compositor e violonista de 15 a 23 de fevereiro deste ano de 2021, no estúdio carioca Marini, tem produção musical creditada a Kassin, também responsável pela mixagem do disco.
Batizado com palavra inventada por Guinga a partir do vocábulo aboio, o álbum Zaboio foi gravado no formato de voz & violão com repertório inteiramente autoral em que Carlos Althier de Souza Lemos Escobar assina sozinho todas as músicas e letras, além de tocar o violão de todas as 11 faixas.
Das 11 músicas que compõem esse repertório, nove são inéditas. As exceções são Porto da Madama (2009) e Meu pai (2017), composição lançada há quatro anos em registro instrumental no álbum Canção da impermanência e reapresentada por Guinga com letra, no mesmo ano de 2017, no álbum seguinte Avenida Atlântica.
Capa do álbum ‘Zaboio’, de Guinga
Arte de Xabier Monreal
Idealizado por Fernanda Vogas e Xabier Monreal, autor da arte da capa, o álbum Zaboio traz a voz de Mônica Salmaso em duas faixas. Cantora que já dedicou majestoso álbum ao cancioneiro de Guinga e Paulo César Pinheiro, Corpo de baile (2014), Salmaso canta com o artista as músicas Jogo de damas e Paulistana sabiá, composição feita por Guinga em tributo a essa grande cantora que domina o idioma da obra do compositor. A voz de Salmaso foi captada em São Paulo por Teco Cardoso.
Em mais um álbum pautado por lembranças desse gênio septuagenário da MPB, Guinga evoca na música-título Zaboio a infância vivida na década de 1950 na zona rural de Jacarepaguá (bairro carioca atualmente já remodelado com arquitetura urbana) e celebra a cozinheira Mãe Tainha – personagem das memórias afetivas dessa infância – na canção Sábia negritude.
A música A bailarina e o vagalume também puxa o fio da memória da infância, sendo tributo à neta de Guinga, enquanto Tangará saúda o pianista fluminense Sergio Mendes, de 80 anos completados em 2021. Já Casa de Francisca é homenagem ao homônimo e cultuado espaço de shows da cidade de São Paulo (SP) que atravessa momento delicado por conta da pandemia.
As músicas Desacompanhado e Saíra apunhalada completam o repertório apresentado pelo artista em Zaboio, álbum que tem prevista edição em LP e que também gera documentário sobre o processo de criação.
Masterizado por Ricardo Garcia, o álbum Zaboio chega ao mercado fonográfico digital com distribuição feita via Tratore.