General Motors tem greve de 48 mil trabalhadores nos Estados Unidos


A convocação sindical marca a primeira paralisação nacional na GM nos EUA em 12 anos. Funcionários da General Motors e integrantes do United Auto Workers, o sindicato de trabalhadores da indústria automotiva nos EUA e Canadá, protestam em Flint, no estado americano de Michigan, contra a redução salarial
Jeff Kowalsky/AFP
A central sindical United Auto Workers (UAW) anunciou neste domingo que cerca de 48 mil metalúrgicos da General Motors vão entrar em greve a partir desta segunda-feira (16), depois que as negociações sobre contrato de trabalho nos Estados Unidos chegaram a um impasse.
A convocação de greve marca a primeira paralisação nacional na GM nos EUA em 12 anos.
“Não vamos tolerar isso”, disse Terry Dittes, vice-presidente da UAW encarregado pelo relacionamento da entidade com a GM, a jornalistas em Detroit. “Este é nosso último recurso.”
A GM afirmou em comunicado que sua oferta aos trabalhadores da UAW incluíram mais de US$ 7 bilhões em investimentos, 5.400 empregos, a maioria novos, aumentos de salário, benefícios melhores e ratificação de bônus contratual de US$ 8 mil. “Negociamos de boa fé e com senso de urgência”, afirmou a montadora.
A greve vai paralisar rapidamente as operações da GM na América do Norte e pode atingir a economia dos EUA. Uma paralisação prolongada também vai gerar dificuldade para os trabalhadores por causa da redução de salário durante a greve.
Os trabalhadores da GM fizeram uma greve em 2007 que durou 2 dias durante negociações contratuais. A paralisação mais significativa ocorreu em Flint, no Estado do Michigan, em 1998, que durou 54 dias e custou à montadora mais de US$ 2 bilhões.
A UAW tem confrontado a GM para interromper o fechamento de fábricas de veículos em Ohio e Michigan e afirma que os metalúrgicos merecem salários maiores depois de anos de lucro recorde da montadora na América do Norte.
A GM afirma que os fechamentos de fábrica são necessários e que os salários e benefícios aos trabalhadores da UAW são caros se comparados com fábricas não sindicalizadas no sul dos EUA.
A greve vai testar tanto a UAW quanto a presidente-executiva da GM, Mary Barra, em um momento em que a indústria de veículos dos EUA está enfrentando desaceleração de vendas e aumento de custos com o desenvolvimento de veículos elétricos.
Kristin Dziczek, vice-presidente de indústria, trabalho e economia do Centro de Pesquisa Automotiva (CAR), afirmou que greve nas fábricas da GM nos EUA vai também causar fechamentos de unidades no Canadá e no México por causa do alto nível de integração da produção. “Isso terá um efeito grande sobre a economia”, disse ela.
A GM tem 12 fábricas de veículos, 12 fábricas de motores e transmissões e uma série de outras instalações como estamparia nos EUA.
A UAW definiu a General Motors como primeira montadora com quem quer concluir negociações trabalhistas.