Gastos com pessoal nos estados cresceram 2,9% em 2018, acima do PIB

Estudo inclui 22 estados e o DF; dados do AP, RN, RR e PI não constam do levantamento. Gastos subiram 0,7% com trabalhadores na ativa, e 7,6% com os inativos. Os gastos com pessoal em 23 unidades da Federação voltaram a crescer em 2018, segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira (15) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A alta média real foi de 2,9% na comparação com o ano anterior – quase três vezes o crescimento registrado pela economia no mesmo período, de 1,1%.
A expansão nos gastos veio principalmente das despesas com trabalhadores inativos, que cresceu 7,9%. Já os gastos com o pessoal da ativa tiveram crescimento bem mais modesto, de 0,7%. Ao todo, os estados gastaram mais de R$ 373 bilhões com pessoal no ano passado.
De acordo com o Ipea, a diferença de crescimento dos gastos entre os dois grupos reflete, de um lado, o elevado ritmo de crescimento das novas aposentadorias nos últimos anos e, de outro, a não reposição de parte significativa dos postos de trabalho que antes eram ocupados pelos que se aposentaram.
Em nota, Cláudio Hamilton dos Santos, um dos autores do estudo e pesquisador do Grupo de Conjuntura do Ipea, afirma que chama mais a atenção o fato de vários estados terem apresentado elevações nos gastos com ativos, o que não vinha ocorrendo em anos recentes. “Talvez por ter sido um ano eleitoral, o fato é que vários estados apresentaram pequenos aumentos nos quadros de servidores estatutários em 2018.”
A análise não inclui os estados do Amapá, Rio Grande do Norte, Roraima e Piauí, para os quais os indicadores disponíveis não permitiram ao Ipea construir os indicadores.
Crescimento por estado
Rondônia e Tocantins tiveram as maiores altas de gastos com inativos, de 22,8% e 17,1%, respectivamente. Apenas Rio de Janeiro e Sergipe não tiveram expansão nesse tipo de gasto.
Os gastos com servidores ativos, por sua vez, cresceram mais no Ceará (12,7%) e no Pará (8,52%). Outros 12 estados também gastaram mais com esses trabalhadores em 2018.
Em número de servidores, dois estados registraram mais trabalhadores inativos do que ativos no ano passado: Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Os mineiros fecharam o ano com 283.614 inativos e 245.319 ativos. Já os gaúchos encerraram o mesmo período com 167.532 inativos e 107.906 ativos.