Funcionários em Imperatriz protestam contra não recebimento de direitos trabalhistas


Funcionários da da empresa Serviço e Tratamento Intensivo protestam há 14 dias contra o governo do estado por não pagamento de direitos trabalhistas. Funcionários em Imperatriz protestam contra não recebimento de direitos trabalhistas
Funcionários da empresa Serviço e Tratamento Intensivo (STI), em Imperatriz, a 626 km de São Luís, continuam acampados em frente à Superintendência do governo do estado em protesto contra o não recebimento de direitos trabalhistas. O governo do estado afirma que o pagamento ainda não foi feito porque existe a necessidade de uma regularização da rescisão contratual que ocorreu a cerca de seis meses.
Há 14 dias os profissionais de Saúde, entre enfermeiros e técnicos, estão acampados em frente à Superintendência do governo do estado. Desde setembro do ano passado, quando a empresa em que foram contratados sofreu uma ação de despejo, eles esperam o encerramento dos contratos de trabalho e com todas as garantias previstas em lei.
A empresa STI alega que o governo do estado ainda deve mais de sete milhões pelos serviços prestados com a gestão de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Sistema Único de Saúde (SUS). Por isso não deu baixa na carteira dos funcionários, mas o governo diz que o repasse não foi feito por pendências na documentação da empresa.
Enquanto isso, dezenas de trabalhadores estão desempregados e impedidos de sacar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e receber o seguro-desemprego acumulando dívidas pessoais. Na semana passada eles fizeram protesto nas ruas até a Câmara de Vereadores, onde foram ouvidos pelos parlamentares.
Os manifestantes ainda estão tentando resolver o problema de forma extrajudicial. Eles aguardam o fim do impasse entre a empresa e o governo do estado mesmo tendo urgência nas rescisões trabalhistas.
A auxiliar administrativo Mila Silveira, que faz parte do movimento, diz que esta deve ser mais uma semana de tolerância, mas sem desmontar o acampamento. “Pediram um prazo que até o final do mês, no caso a gente contabiliza até o dia 30 de março, que iriam fazer esse repasse para a empresa e a empresa iria nos repassar. Enquanto isso nós estamos aguardando que se cumpra o prazo que nos deram. A nossa intenção só é sair quando se tiver algo concluído, algo realmente em que a gente vai dizer que está certo e que vamos receber”.
Sobre o assunto, a Secretaria de Estado da Saúde disse que mantém diálogo com a empresa Serviço e Tratamento Intensivo (STI), contratada pelo governo do estado. As certidões da empresa, que se encontravam pendentes até a semana passada já foram regularizadas e encaminhadas para o processo administrativo de pagamento. A Secretaria esclarece que tão logo seja finalizada a auditoria sobre o serviço prestado, o pagamento dos valores devidos será efetuado.
Funcionários em Imperatriz protestam contra não recebimento de direitos trabalhistas
Reprodução/TV Mirante

Powered by WPeMatico