Funceme registra chuvas em 27 municípios do Ceará


Ibiapina, na Região da Ibiapaba do Ceará, teve a maior precipitação. Houve chuvas em 27 cidades das 184 cidades do Ceará entre 7h de sexta-feira (23) até a manhã deste sábado (24), segundo balanço da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme).
A previsão da Funceme é de mais chuvas em todas as regiões do estado neste sábado e domingo (25). Ibiapina, na Região da Ibiapaba do Ceará, teve a maior precipitação do estado neste sábado, com 35 milímetros, segundo boletim divulgado às 13h30.
Também houve chuva em Viçosa do Ceará (34 milímetros), Jati (29,2), Granja (23), Alcântaras (22) e Massapê (21). Em Fortaleza, desde a meia noite a chuva foi de 7,6 milímetros.
Conforme a Funceme,uma Zona de Convergência Intertropical (banda de nuvens que circunda a faixa equatorial do globo terrestre, formada pela confluência dos ventos alísios do hemisfério norte com os ventos alísios do hemisfério sul) propicia a formação de chuva na região.
Previsão para o sábado:
Nebulosidade variável com eventos de chuva em todas as regiões no decorrer do dia.
Previsão para o domingo:
Ao longo do dia, nebulosidade variável com possibilidade de chuva no noroeste, na faixa oeste e no sul do Ceará. Nas demais regiões, céu parcialmente nublado.
Previsão para segunda-feira:
Nebulosidade variável com possibilidade de chuva em todas as regiões no decorrer do dia.
Estado está 3 graus mais quente, aponta estudo
O Ceará está até três graus mais quente do que a média histórica durante este mês de março, segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Nesta quarta-feira (21), a temperatura tem máxima de 32º C no estado.
A falta de chuvas e, consequentemente, o enfraquecimento dos ventos têm contribuído para elevar as temperaturas, de acordo com o meteorologista da Funceme Davi Ferran. “Quando começou a chover de forma mais regular e mais intensa, o calor tende a diminuir”, afirma.
Na maior parte do estado, a temperatura varia de um a dois graus, diz o meteorologista. Março é tradicionalmente o mês mais chuvoso no Ceará. A média histórica é de 203 milímetros durante o mês. Até esta quarta (21), a Funceme registra 54 milímetros em todo o estado.
Praia de Iracema é um dos locais mais visitados por turistas em Fortaleza
TV Verdes Mares/Reprodução
Açude Castanhão
Apesar das boas chuvas, nos meses de janeiro e fevereiro, as precipitações não foram suficientes para deixar açudes com bom aporte. Segundo estudo da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) 112 açudes ainda estão com volume inferior do que é esperado.
Onze açudes estão com volume acima de 90% e sete açudes sangram no estado são eles: Acaraú Mirim (Massapê), Caldeirões (Saboeiro), Itaúna (Granja), Tucunduba (Senador Sá). Cocó (Fortaleza), Germinal (Palmácia) e Colina (Quiterianópolis).
O Rio Salgado, principal aquífero a abastecer o Castanhão, tem uma cheia com o acúmulo de água das chuvas do mês de fevereiro. Em Aurora, no Cariri, as águas do Salgado correm quase no nível da ponte que dá acesso ao município.
As águas do Salgado já resultaram em um aumento do volume do Castanhão, maior açude do país. A reserva do Castanhão subiu para 3,81% da capacidade máxima.
O Açude Orós acumula no momento apenas 6,27%. Já o Banabuiú continua praticamente seco, com 0,42% do seu volume total. O nível médios dos 155 açudes monitorados pela Cogerh) é de 8,4%, segundo último levantamento.
Onde havia águas, a imensidão azul sem fim ficou um risco no chão e poeira. Situação atual assusta pescadores no Açude Castanhão.
Gioras Xerez/G1 Ceará

Powered by WPeMatico