‘Free Guy’ dá início a ‘casamento’ de Ryan Reynolds e Shawn Levy: ‘sempre quis trabalhar com ele’, diz ator


Filme é primeiro projeto de parceria entre astro e cineasta, que podem fazer até quatro produções juntos após confirmação de continuação. Em entrevistas ao G1, eles falam sobre relação. Shawn Levy, Ryan Reynolds e Joe Keery falam sobre relação do diretor com narrativas
Quando Ryan Reynolds convidou o cineasta Shawn Levy para dirigir sua próxima comédia de ação, “Free Guy – Assumindo o controle”, sabia que daria início a uma parceria. O que talvez não imaginasse é que o relacionamento resultaria em outros dois filmes já em andamento. Assista ao vídeo acima.
E o número pode crescer ainda mais. “Free Guy” estreia no Brasil apenas nesta quinta-feira (19), mas, com a boa arrecadação em seu primeiro fim de semana em cartaz nos Estados Unidos, o ator parece ter confirmado no Twitter que a Disney já pediu um continuação. Leia a resenha completa.
Initial plugin text
Os dois já se conheciam, mas a relação profissional começou mesmo quando Reynolds decidiu que o roteiro, sobre o personagem menor de um game de tiro que cria consciência, tinha de ser dirigido pelo amigo.
“Eu conheço o Shawn há anos, e sempre quis trabalhar com ele. Eu sabia que a gente ia se conectar de uma forma que fosse muito criativamente satisfatória”, conta o astro em entrevista ao G1.
“Nós acabamos de gravar nosso segundo filme juntos esse ano, que ainda estamos editando agora, e vamos começar um terceiro ano que vem. Então é um casamento muito legal.”
Males que vem para o bem
Ironicamente, o “casamento” foi possível graças ao infame “X-Men Origens: Wolverine” (2009). O filme foi um fracasso com público e com crítica, mas deu início à amizade entre Reynolds e Hugh Jackman.
Dois anos depois, o australiano lançaria “Gigantes de aço”, dirigido por Levy, e seria responsável por apresentar os dois amigos.
“Assim que eu li, ele foi a primeira pessoa em quem pensei. E também, sabe, nós dois produzimos o filme, então foi uma questão de encontrar um parceiro para isso”, diz o ator canadense.
“Eu o amava por alguns motivos. Primeiro, ele é muito bom em construir mundos, em criar mundos em larga escala. Mas ele também é incrivelmente bom em construir sutilezas e personagens.”
Ryan Reynolds e Jodie Comer em cena de ‘Free Guy’
Divulgação
Busca original
“Gigantes de aço” não foi exatamente um grande sucesso comercial, mas a essa altura Levy já havia provado que dominava a linguagem de aventuras para toda a família com os dois primeiros “Uma noite no museu”.
Apesar de uma queda em arrecadação com o passar dos capítulos, a trilogia estrelada por Ben Stiller conseguiu mais de US$ 1,3 bilhão ao redor do mundo.
No currículo, o diretor canadense de 53 anos ainda tem diversos trabalhos como produtor. Em 2017, inclusive, foi indicado ao Oscar pela primeira e única vez como produtor de “A chegada”.
Curiosamente, os três projetos citados têm em comum o fato de serem adaptações de obras menos conhecidas do grande público. Neste contexto, “Free Guy”, uma ideia totalmente original, se destacou para o cineasta.
“É muito raro agora que um estúdio faça um filme original com grande orçamento. Então, quando Ryan e eu decidimos fazer isso, sabíamos que era uma oportunidade e um privilégio gastar muito dinheiro e contar uma história grande baseada em ideias novas”, conta Levy.
“Gostei que este filme me deu a oportunidade de criar um filme e criar um game dentro do filme. E eu não precisei ser fiel a nenhuma regra, exceto as regras que eu escrevi.”
Taika Waititi, Utkarsh Ambudkar e Joe Keery em cena de ‘Free Guy – Assumindo o controle’
Divulgação
Liderando pelo exemplo
Mas nem tudo é novidade em “Free Guy”. Joe Keery, que já foi dirigido por Levy em alguns episódios de “Stranger Things”, se reencontra com o cineasta no filme.
De acordo com o ator, cujo personagem no filme passa por uma redenção assim como o Steve da série, o diretor encara seu trabalho da mesma forma, tanto no cinema quanto na TV.
“Ele foca na história e é muito focado nas necessidades dos atores e a atenção aos personagens também. Então, não muda muito, porque ele traz o mesmo entusiasmo, energia e criatividade para ambas as coisas que eu vi”, conta Keery.
“Ele tem disposição para trabalhar mais que qualquer um na gravação. Ele aparece para trabalhar e eu acho que é muito inspirador para todo mundo na gravação, e é por isso que os filmes e projetos nos quais ele trabalha têm o coração que têm”
Ryan Reynolds (centro), com Joe Keery (esq.) e Shawn Levy em painel de ‘Free guy’ na CCXP 2019, em São Paulo
Divulgação