Fósseis de árvores mais antigos do mundo são encontrados em Nova York

<div class="media_box full-dimensions660x360">

<div class="edges">
<img class="croppable" src="https://img.r7.com/images/tres-pesquisadores-com-diversos-instrumentos-em-cima-de-pedreira-onde-fosseis-foram-encontrados-19122019181620651?dimensions=660×360" title="Um sistema de raízes do gênero extinto Archaeopteris em Cairo, EUA" alt="Um sistema de raízes do gênero extinto Archaeopteris em Cairo, EUA" />
<div class="gallery_link">
</div>

</div>
<div class="content_image">
<span class="legend_box ">Um sistema de raízes do gênero extinto Archaeopteris em Cairo, EUA</span>
<span class="credit_box ">Charles Ver Straeten </span>
</div>
</div>

<p>
Cientistas localizaram no Estado americano de Nova York os fósseis de árvores mais antigos já encontrados, de 386 milhões de anos atrás.</p>
<p>
Eles estão em uma pedreira abandonada na cidade de Cairo, no Condado de Greene, e acredita-se que faziam parte de uma floresta que cobria também parte do território da Pensilvânia, Estado vizinho.</p>
<p>
Antes, o título de floresta mais antiga do mundo também estava no Estado de Nova York, em Gilboa – mas o achado em Cairo possivelmente é 2 ou 3 milhões de anos mais velho.</p>
<p>
A descoberta contribui para o entendimento da evolução das árvores.</p>

<div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">O que os cientistas encontraram?</div>
<span class="author"></span>
</div>

<p>
Há mais de uma década, pesquisadores da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, da Universidade de Binghamton e do Museu de Nova York começaram a vasculhar o sopé das montanhas Catskill, no vale do rio Hudson.</p>
<p>
Desde então, eles mapearam cerca de 3 mil quilômetros quadrados do que seria a área da antiga floresta, que era formada por pelo menos dois tipos já extintos de árvore: da classe Cladoxylopsida e do gênero Archaeopteris.</p>
<p>
Um terceiro tipo de árvore ainda está pendente de identificação.</p>

<div class="media_box full-dimensions660x360">

<div class="edges">
<img class="croppable" src="https://img.r7.com/images/fossil-de-arvore-com-ramificacoes-em-pedra-19122019181621022?dimensions=660×360&amp;resize=660×360&amp;amp;crop=976×532+0+86resize=660×360&amp;amp;crop=976×532+0+86" title="Berry Local descoberto tem raízes muito longas que representam uma transformação na forma com que as plantas e o solo recolhem água" alt="Berry Local descoberto tem raízes muito longas que representam uma transformação na forma com que as plantas e o solo recolhem água" />
<div class="gallery_link">
</div>

</div>
<div class="content_image">
<span class="legend_box ">Berry Local descoberto tem raízes muito longas que representam uma transformação na forma com que as plantas e o solo recolhem água</span>
<span class="credit_box ">William Stein/Christopher </span>
</div>
</div>

<p>
"Este é o lugar mais antigo em que você pode circular e mapear onde as árvores estavam fincadas no meio do período Devoniano", diz o paleobotânico Chris Berry, da Universidade de Cardiff, um dos autores do artigo publicado no periódico científico Current Biology com os resultados sobre a floresta em Cairo.</p>
<p>
"É uma floresta muito antiga, do início do tempo em que o planeta estava ficando verde e as florestas estavam se tornando uma parte normal do sistema da Terra."</p>
<p>
Os pesquisadores também contam terem descoberto raízes muito longas que representam uma transformação na forma como as plantas e o solo recolhem água.</p>
<p>
Acredita-se que a floresta foi devastada por inundações. Na área, foram encontrados também fósseis de peixes.</p>

<div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">Como a descoberta ajuda a entender o passado?</div>
<span class="author"></span>
</div>

<p>
Os resquícios da floresta marcam um período de transição entre um planeta sem florestas e um amplamente coberto pelo verde.</p>
<p>
De acordo com Berry, estudar este local contribui para a compreensão de como as árvores evoluíram, assim como seus mecanismos de absorção do dióxido de carbono da atmosfera. E também para pensar no presente.</p>
<p>
"Temos bastante consciência neste momento de que ter florestas é algo bom, e devastá-las é algo ruim", aponta.</p>
<p>
Howard Falcon-Lang, da Royal Holloway, em Londres, diz que não há dúvidas de que esta é a floresta fossilizada mais antiga de que se tem notícia.</p>
<p>
"Pode ser que, no futuro, algo ainda mais antigo apareça. A paleontologia é cheia de surpresas."</p>
<p>
"Mas por ora, isto é incrivelmente animador."</p>