Filme ‘Les Olympiades’ mostra outro lado da capital francesa em Cannes


Longa do diretor Jacques Audiard mostra 13º distrito de Paris, conhecido como a ‘Chinatown’ da cidade. Filme francês ‘Les Olympiades’, do diretor Jacques Audiard
Reprodução
“Les Olympiades”, novo filme do diretor francês Jacques Audiard, não mostra a Torre Eiffel, os prédios de Haussmann ou o Rio Sena.
Ele volta suas lentes ao 13º distrito de Paris, conhecido como a “Chinatown de Paris”, onde já morou.
Com personagens inspirados nas graphic novels do artista americano Adrian Tomine, Audiard apresenta pessoas jovens, instruídas, mas desiludidas na busca de seus caminhos, e evita conscientemente os clichês cinematográficos sobre a divisão entre pobres e ricos na França. 
“Eu queria falar da classe média, das pessoas que têm diplomas universitários e que de certa maneira obtiveram um nível de sucesso, mas que não tem lá muita coisa acontecendo com elas”, disse Audiard em entrevista à Reuters na quinta-feira (15), um dia após a estreia de seu filme em Cannes.
“Les Olympiades” é um dos 24 filmes na mostra competitiva pela Palma de Ouro na 74ª edição do festival de Cannes.
As filmagens durante a pandemia de Covid-19 ajudaram a atriz de primeira viagem Lucie Zhang a entrar em sua personagem Emilie, uma jovem mulher que luta para manter um emprego enquanto tenta não se apaixonar por sua companheira de apartamento. 
“Durante a pandemia, estamos muito mais sozinhos, fechados e isolados. Então talvez isso possa trazer esse tipo de emoção nos personagens, inconscientemente”, disse Zhang. 
Audiard, que venceu a Palma de Ouro em 2015 com “Dheepan: O Refúgio”, um filme sobre refugiados tâmeis na França, disse que é preocupante que alguns filmes franceses faltem com a representatividade multirracial. No filme, dois dos principais personagens – Camille e Emilie – são de famílias de imigrantes. 
Semana Pop fala sobre principais estreias nos cinemas no 2º semestre de 2021