Fiat Chrysler e Renault seriam o maior grupo do Brasil em vendas com 26% do mercado


Segundo dados da Fenabrave de 2018, montadoras ficariam à frente da atual líder Chevrolet. Para economista, empresas buscam fusão para aumentar competitividade. Fiat Strada e Renault Oroch: montadoras estudam fusão
Caio Kenji / G1
A Fiat Chrysler (FCA) anunciou a intenção de fusão com a Renault. O conglomerado formaria o 3º maior grupo automotivo do mundo, segundo números de 2018. No Brasil, ele seria o primeiro colocado com ao menos 26% do mercado.
“A busca pela maior competitividade é o norte que vem guiando todas essas montadoras. O mercado está assumindo uma posição de risco mais elevado e exigindo a essas empresas buscarem parcerias, fusões e até mesmo compras”, explica o economista Antonio Jorge Martins, especialista em gestão estratégica de empresas automotivas da Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Além da possível fusão entre FCA e Renault, Volkswagen e Ford anunciaram uma aliança global que prevê o compartilhamento de plataformas para futuros veículos. Uma picape, baseada na Ranger, será vendida no Brasil.
Nova ‘gigante’ no Brasil
De acordo com a associação dos concessionários (Fenabrave), 2.470.653 automóveis e comerciais leves foram emplacados no Brasil em 2018. Destes, 214.914 foram da Renault, 325.725 da Fiat e 106.945 da Jeep. Isso tornaria a nova montadora a maior do mercado brasileiro, ultrapassando a atual líder Chevrolet.
Para o economista, a fusão poderia trazer frutos positivos para o consumidor brasileiro.
“A maior competitividade pode gerar menores preços, e as empresas se fortalecerem no mercado brasileiro. Pode levar também ao desenvolvimento de novos produtos para o mercado nacional e também para exportação”, afirma Antonio Jorge Martins, da FGV.
Na proposta apresentada para a Renault, a FCA ressalta que a fusão não resultaria em cortes ou demissões, mas é impossível prever as consequências a longo prazo.
“A própria FCA acabou de anunciar investimentos na fábrica de motores (em Betim) para exportação”, aponta o economista. “Mas, caso a fusão aconteça, vão ter que racionalizar”, acrescenta.
Ao G1, Fiat Chrysler e Renault não fizeram comentários específicos de como seria o processo de integração no Brasil.
Fusão Fiat Renault
Divulgação/Fiat/Renault/G1
Vendas no Brasil em 2018:
(em unidades)
Fiat Chrysler/Renault – 647.584
Chevrolet – 434.364
Volkswagen – 368.200
A FCA é representada pela soma de Fiat e Jeep (432.670), já que Dodge e Chrysler não aparecem nos relatórios da Fenabrave pela pouca expressividade de vendas no país.
Com os números unidos aos da Renault, são 647.584 unidades – 26% do total de vendas de 2018. Ou seja, o grupo ultrapassaria a Chevrolet (que fechou o ano com 434.364) e a Volkswagen (368.200) e alcançaria a liderança do mercado.
Separadas, como atualmente, a FCA ocupa o segundo lugar no ranking de marcas, entre Chevrolet e Volkswagen, enquanto a Renault ficou em 5º lugar, com 8,7% dos emplacamentos totais.
Fiat Chrysler apresenta proposta de fusão à Renault
Loic Venance/Marco Bertorello/AFP
Como seria a fusão no Brasil?
Como qualquer processo de fusão feito no Brasil, a possível união entre FCA e Renault teria que ser submetida ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) também no país, independente do processo no exterior.
“O Cade tem poder para intervir em operações que criem ou aumentem significativamente o poder de mercado das empresas. A apuração parte do grau de concentração, ou da participação de mercado da empresa resultante da fusão”, aponta o advogado Juliano Maranhão, especializado em fusões de empresas.