Fechamento de vagas em março reflete economia estagnada

O resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do mês de março divulgado nesta quarta-feira (24) pelo Ministério da Economia, fechamento de 43.196 vagas com carteira assinada, explicita de forma dramática o que os dados mais recentes sobre comércio, indústria e serviços já apontavam: estagnação da economia.
” O fato é que a economia não está crescendo”, disse ao blog o economista José Pastore, um dos principais especialistas em mercado de trabalho no Brasil.
Os dados do Caged mostram um quadro negativo generalizado. Indústria, comércio, construção civil, agropecuária, todos demitiram mais do que contrataram em março. O setor de serviços, que representa dois terços da economia, abriu vagas. Mas apenas 4.572.
O encolhimento do mercado de trabalho em março é um sinal amarelo já piscando para o vermelho. A economia desacelerou no final do ano e continua sem emitir sinais de reação. Tudo indica que 2019 será o terceiro ano consecutivo de crescimento em torno de 1%. Isso depois de dois anos (2015 e 2016) de recessão acumulada de quase 8%.
A paralisia econômica torna dramática a necessidade da aprovação da reforma da Previdência. Ela não resolverá tudo. Mas sem ela fica difícil imaginar como destravar a economia.
Nesse cenário, como fica o mercado de trabalho? Perguntei a José Pastore. Ele disse que se a reforma for aprovada no semestre, os investimentos serão retomados no início de 2020. O consumo demoraria mais um pouco para reagir.”Nesse caso, a recuperação do emprego, com redução da taxa para um dígito, só poderia ocorrer na virada de 2020 para 2021″.
A situação não está para brincadeiras.