Faturamento com e-books e audiolivros cresce 140% em três anos


Setor digital representou 4% do mercado editorial brasileiro de 2019, com receita de R$ 103 milhões. Participação de e-books cresce no mercado editorial
Ascom-UFCG/Divulgação
O faturamento da indústria editorial com e-books, audiolivros e outras plataformas de conteúdo digital em 2019 foi de R$ 103 milhões.
O valor representa um crescimento de 140% em três anos, segundo pesquisa realizada pela Nielsen Book e coordenada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Câmara Brasileira do Livro (CBL). O estudo comparou os dados de 2019 com os de 2016, quando foi realizado um censo digital.
Quanto custa e quanto pode custar um livro no Brasil
Conheça o mercado de resumo de livros: ‘uma obra em 15 minutos’
Com essa receita, o setor digital representou 4% do mercado editorial brasileiro de 2019. Das 4,7 milhões de unidades vendidas, os e-books representaram 96%, enquanto os audiolivros corresponderam a 4%.
Segundo a pesquisa, o acervo digital aumentou 37% no mesmo período. Em 2019, havia 71 mil títulos disponíveis no mercado digital: 20 mil de ficção, 23 mil de não ficção e 28 mil da categoria científico-técnico-profissional.
A pesquisa não incluiu dados de livros didáticos por considerar sua participação quase nula no mercado digital.
Preço do livro
O preço médio dos e-books em 2019 foi R$15,50, mais barato do que a média do livro físico. Neste mesmo ano, esse preço foi R$ 19.
O valor de capa do livro, aquele que o cliente efetivamente paga, é sugerido pelas editoras e leva em conta o pagamento do autor, os gastos para fazer o livro, os custos e os lucros de editora, distribuidor e livrarias. Veja no gráfico abaixo.
O que compõe o preço médio de um livro no Brasil
Arte/G1