Facebook anuncia remoção de vídeos ‘deepfakes’ e mídias falsas 

<div class="media_box full-dimensions780x340">

<div class="edges">
<img class="croppable" src="https://img.r7.com/images/facebook-07012020115737912?dimensions=780×340&amp;&amp;amp;&amp;amp;resize=780×340&amp;amp;crop=330×144+0+41&amp;amp;&amp;amp;resize=780×340&amp;amp;crop=330×144+0+41" title="Os ‘deepfakes’ são vídeos manipulados que alteram a mensagem inicial " alt="Os ‘deepfakes’ são vídeos manipulados que alteram a mensagem inicial " />
<div class="gallery_link">
</div>

</div>
<div class="content_image">
<span class="legend_box ">Os ‘deepfakes’ são vídeos manipulados que alteram a mensagem inicial </span>
<span class="credit_box ">Johanna Geron/Reuters – 02.12.2019 </span>
</div>
</div>

<p>
Facebook disse que removerá os ‘deepfakes’ e outros vídeos manipulados de sua plataforma se eles tiverem sido editados, mas não o conteúdo que é paródia ou sátira, em uma tentativa de conter a disseminação de desinforção antes das eleições presidenciais dos EUA deste ano.</p>
<p>
A empresa também removerá mídias falsas que são resultado de tecnologias como a IA que "mesclam, substituem ou sobrepõem o conteúdo de um vídeo, fazendo com que pareça autêntico", disse a empresa californiana em seu blog em 6 de janeiro.</p>
<p>
"Esta política não se estende ao conteúdo que é paródia ou sátira, ou um vídeo que foi editado apenas para omitir ou alterar a ordem das palavras", disse o Facebook.</p>
<p>
A gigante de mídia social disse à Reuters que, como parte de sua nova política, não removerá um vídeo editado que tentou fazer a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, parecer incoerente, distorcendo seu discurso e fazendo parecer que ela estava repetidamente tropeçando em suas palavras.</p>
<p>
"O vídeo adulterado da presidente Pelosi não atende aos padrões desta política e não será removido. Apenas vídeos gerados por inteligência artificial para retratar pessoas dizendo coisas fictícias serão retirados", disse o Facebook em comunicado.</p>
<p>
O Facebook foi criticado por suas políticas de conteúdo por políticos de todo o espectro. Os democratas criticaram a empresa por se recusar a checar os anúncios políticos, enquanto os republicanos a acusaram de discriminar opiniões conservadoras, acusação negada pelo Facebook.</p>
<p>
Na preparação para a eleição presidencial dos EUA em novembro de 2020, as redes sociais estão sob pressão para enfrentar a ameaça dos ‘deepfakes’, que usam inteligência artificial para criar vídeos hiper-realistas onde uma pessoa parece dizer ou fazer algo que não aconteceu.</p>