EUA querem que Papa participe de conferência sobre clima, diz Kerry no Vaticano


John Kerry, enviado do clima do presidente americano Joe Biden, conheceu o papa neste sábado no Vaticano. Para Francisco e John Kerry, enviado do clima do presidente americano Joe Biden, em encontro no Vaticano no dia 15 de maio
Vatican Media/via Reuters
O Papa Francisco tem autoridade moral para influenciar a opinião pública sobre o aquecimento global e deve participar da Conferência das Partes (COP26) na Escócia, disse John Kerry, enviado do clima do presidente americano Joe Biden, neste sábado (15).
Governo do Reino Unido mantém plano de COP26 presencial em Glasgow, apesar da Covid-19
Entenda a diferença entre a ‘Cúpula de Líderes sobre o Clima’ e a COP26
A COP26 será realizada em Glasgow, em novembro, e pode acelerar as medidas dos maiores poluidores do mundo para combater a mudança climática, um desafio que ativistas, cientistas e líderes mundiais dizem que pode colocar o planeta em perigo.
“Acho que será uma voz muito importante antes e depois da conferência de Glasgow, e acredito que ele pretenda participar”, disse Kerry ao jornal oficial do Vaticano, após conhecer o papa no Vaticano.
“Porque ele está acima da política e fora do tumulto do dia a dia, acho que ele pode abalar um pouco as pessoas e trazê-las para o debate com um melhor senso de nossa obrigação comum”, acrescentou.
Não houve confirmação imediata da participação do pontífice por parte do Vaticano.
Kerry está no meio de uma viagem de uma semana à Europa, com encontros programados com funcionários do governo e líderes empresariais na Itália, Grã-Bretanha e Alemanha, bem como na Cidade do Vaticano, antes da cúpula.
Francisco fez muitos apelos pela proteção ambiental desde que se tornou papa em 2013, e pediu repetidamente aos governos que tomem medidas drásticas para combater o aquecimento global e reduzir o uso de combustíveis fósseis.
“Precisamos de todos nesta luta”, disse Kerry.