EUA investigam airbags que equipam 12 milhões de carros e podem não abrir

Equipamentos foram feitos pela TRW, que pertence à alemã ZF, e usados por 6 montadoras: Toyota, Honda, Kia, Hyundai, Mitsubishi e Fiat Chrysler. Falha estaria ligada a 8 mortes. A agência responsável pela segurança no trânsito dos Estados Unidos (NHTSA) ampliou as investigações sobre uma possível falha em airbags que pode ter resultado em 8 mortes no país.
Estão sendo avaliados os equipamentos usados em 12 milhões de veículos fabricados por Hyundai, Kia, Fiat Chrysler (FCA), Toyota, Honda e Mitsubishi entre 2010 e 2019.
Esses veículos usam airbags da TRW, fornecedora comprada pela alemã ZF em 2015, que podem não abrir mesmo quando deveriam funcionar. As informações estão em documento divulgado nesta terça-feira (23) pela agência governamental.
Entenda a importância dos airbags
A falha
O problema estaria dentro da unidade de controle dos equipamentos (ACU), que fica do lado do passageiro e contém o sistema (ASIC), que monitora os sinais dos sensores instalados na frente do carro a fim de detectar a necessidade de abertura das bolsas.
Essa central pode ser confundir com outros sinais eletrônicos que chegariam durante a colisão e decidir não acionar o airbag. Mas a própria NHTSA diz que possibilidade de essa interferência ocorrer “parece ser baixa”.
“A ACU incorpora um circuito elétrico que deve proteger a ASIC de sinais prejudiciais, mas o nível e a efetividade dessa proteção varia por marca”, afirma a agência.
A NHTSA vai avaliar o quanto os airbags são mesmo suscetíveis a sinais elétricos e se há outros fatores que poderiam impedir os equipamentos de funcionarem.
A ZF comunicou que está comprometida com a segurança e coopera com a agência e com as montadoras na investigação do caso.
Escândalo Takata
Esta seria a segunda maior falha envolvendo airbags nos últimos anos. A principal foi em equipamentos fornecidos pela Takata a 19 marcas de carros, que resultou no maior recall da história, tendo afetado mais de 40 milhões de veículos em todo o mundo desde 2013, quando o problema veio à tona.
Nesse caso, os chamados “airbags mortais” abrem com força demasiada e atiram pedaços de metal contra os ocupantes, provocando ferimentos que podem matar. Mais de 20 mortes estão relacionadas ao caso, todas no exterior. No Brasil, foram registrados casos de ferimentos.
Ocorrências
A investigação sobre os airbags da ZF-TRW começou em março de 2017 com veículos da Hyundai e da Kia, que são parceiras.
As análises foram ampliadas para 12 milhões de veículos no último dia 19, quando a NHTSA descobriu acidentes recentes envolvendo dois Toyota Corolla cujos airbags não abriram. Uma pessoa morreu, segundo a Associated Press.
A agência diz que não há registro de ocorrências com veículos da Honda e da Mitsubishi.
Até agora, de acordo com a AP, apenas Hyundai, Kia e Fiat Chrysler fizeram recalls relacionados ao problema. Quatro mortes teriam sido causadas pela falha em carros das duas marcas sul-coreanas e sete em automóveis da Fiat Chrysler.
A Toyota diz estar colaborando com a agência governamental e também fazendo sua própria apuração, e que tomará qualquer ação que for necessária. A montadora japonesa passou a usar airbags da ZF-TRW em 2011, segundo a AP.
No ano passado, a Hyundai e a Kia chamaram 1,1 milhão de veículos para recall por causa do problema, sendo o Sonata 2011 a 2013 e o Sonata Hybrid 2012. A Kia convocou o Forte (como é chamado o Cerato nos EUA) 2010 a 2013, o Optima 2011 a 2013, o Optima Hybrid 2011 e 2012 e Sedona 2011 a 2012.
Em 2016, a Fiat Chrysler (FCA) convocou cerca 1,9 milhão de carros em todo o mundo, incluindo Chrysler Sebring 2010, Chrysler 200 de 2011 a 2014, Dodge Caliber de 2010 a 2012, Dodge Avenger de 2010 a 2014, Jeep Patriot e Compass de 2010 a 2014 e Lancia Flavia 2012 e 2013.
Recalls no Brasil
Também em 2016, a Fiat Chrysler convocou 2.751 unidades do Compass no Brasil ano/modelo 2010, 2012, 2013 e 2014 por risco de o airbag não abrir corretamente em caso de colisão.
Segundo comunicado da FCA na época, o defeito estaria em um tipo de sistema de retenção do cinto de segurança e um tipo específico de sensor dianteiro “que pode falhar ao detectar a necessidade de tensionar o cinto e abrir o airbag”. Não foi informado quem era a fabricante do equipamento.
A falha já tinha afetado quase 2 milhões de veículos fora do país e estaria relacionada a 3 mortes e 5 casos de ferimentos no exterior.
No último dia 1º, a Volkswagen convocou 41 unidades de Golf e Passat, ambos do ano-modelo 2003, porque “o airbag do motorista pode não se abrir corretamente por uma falha no processo de montagem do gerador de gás da bolsa”. A montadora disse que se trata de airbags da TRW.