EUA dizem que ‘apoiam’ Brasil iniciar processo para aderir à OCDE


Secretária do governo norte-americano reforçou posição de Donald Trump tomada durante encontro com Jair Bolsonaro, em fevereiro. Cúpula da OCDE
Axel Schimidt/OCDE
O governo dos Estados Unidos informou nesta quarta-feira (8) que “apoia que o Brasil inicie o procedimento para se tornar membro completo” da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).
Pelo Twitter, a secretária assistente de Estado norte-americana Kimberly Breier disse que a Casa Branca “acolhe as reformas econômicas, as melhores práticas e uma estrutura regulatória conforme os padrões da OCDE”. A mensagem foi traduzida e replicada pela conta da Embaixada dos EUA em Brasília.
Initial plugin text
O presidente Jair Bolsonaro entrega camisa da Seleção Brasileira de futebol para Donald Trump; presidente norte-americano também presenteou Bolsonaro
REUTERS/Kevin Lamarque
Em fevereiro, no encontro com o presidente Jair Bolsonaro, Donald Trump disse que apoiava a entrada do Brasil na OCDE. Em troca, o governo brasileiro aceitou começar abrir mão do status especial que recebe na Organização Mundial do Comércio (OMC).
Sem tratamento especial na OMC, Brasil perde ‘poder de barganha’, mas ganha status de país desenvolvido; ENTENDA
Entenda o que está em jogo na relação entre o Brasil e a OCDE
Encontro acende debate sobre tratamento especial na OMC
No entanto, reportagem publicada no jornal “Valor Econômico” na terça-feira mostrou que os norte-americanos ainda não tinham instruções para pleitear o Brasil como um novo integrante da OCDE frente aos outros países.
A OCDE, conhecida como o “clube dos países ricos, é uma organização que visa promover a cooperação e discussão de políticas públicas e econômicas entre seus membros.
Aliado extra-Otan
Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e dos Estados Unidos, Donald Trump, após declaração à imprensa em frente à Casa Branca, em Washington
Kevin Lamarque/Reuters
Também nesta quarta-feira, Trump notificou o Congresso norte-americano de que pretende designar o Brasil um aliado prioritário extra-Otan.
“Estou tomando essa medida para reconhecer o recente comprometimento do Brasil em aumentar a cooperação militar com os Estados Unidos, e em reconhecimento do nosso próprio interesse nacional em intensificar nossa coordenação militar com o Brasil”, disse Trump em comunicado.
Trump já havia informado que tinha intenção de colocar o Brasil como um aliado preferencial extra-Otan durante a reunião com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, em Washington.