EUA abrem investigação criminal sobre certificação de emissões da Ford


Empresa contratou especialistas externos para investigar o consumo de combustível de seus veículos e os procedimentos de testes. Ford é investigada nos EUA por certificação de suas emissões
Francois Lenoir/Reuters
A Ford informou nesta sexta-feira (26) que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos abriu uma investigação criminal sobre processo de certificação de emissões de poluentes da montadora nos país.
A questão foi divulgada voluntariamente pela montadora para a Agência de Proteção Ambiental dos EUA e para a California Air Resources Board em fevereiro, que são entidades responsáveis pelo controle da poluição do ar.
Além disso, a empresa contratou especialistas externos para investigar o consumo de combustível de seus veículos e os procedimentos de testes, depois que funcionários manifestaram preocupações. A Ford afirmou que não sabia se teria que corrigir os dados fornecidos às autoridades ou para os consumidores.
A montadora tem investigado preocupações levantadas por empregados de que cálculos incorretos foram usados para transmitir resultados de testes em dados de quilometragem e de emissões de poluentes enviados a reguladores.
A Ford disse em fevereiro que estava avaliando mudanças no processo que usa para produzir dados de economia de combustível e sobre emissões, “incluindo componentes de engenharia, técnicos e governança”.
Outras montadoras investigadas
Em janeiro, a Fiat Chrysler fechou acordo para pagar US$ 800 milhões para encerrar alegações do Departamento de Justiça dos EUA e da Califórnia de que usava software ilegal para produzir resultados falsos em testes de emissões de diesel. Uma investigação criminal do Departamento de Justiça está pendente.
Autoridades dos EUA também investigam a Daimler por suposto excesso em emissões de gases tóxicos de veículos diesel.
Em 2015, a Volkswagen admitiu o uso de um software para manipular as emissões dos carros, o chamado “Dieselgate”.