Estudo revela local onde últimos mamutes viveram há 4 mil anos

Mamutes-lanoso entraram em extinção a apenas 4 mil anos atrás

Mamutes-lanoso entraram em extinção a apenas 4 mil anos atrás

Wikimedia

Os últimos mamutes-lanoso viveram na ilha de Wrangel, no Oceano Ártico, até entrarem em extinção há 4 mil anos. Essa é a conclusão da pesquisa publicada por uma equipe cientistas da Universidade de Helsinque, na Finlândia, da Universidade de Tübingen, na Alemanha e da Academia Russa de Ciênciasna e publicada na última edição da revista Quaternary Science Reviews.

Leia também: Ganhador de Nobel se diz cético sobre vida extraterrestre

Os estudiosos reconstruíram, a partir de evidências, o cenário que poderia ter levado à morte os últimos mamutes do planeta Terra. Os pesquisadores acreditam que um dos fatores que levou à extinção desses animais foi a chegada dos seres humanos à ilha remota, além de um habitat isolado e de episódios climáticos extremos.

Durante a Idade do Gelo, cerca de 100 mil a 15 mil anos atrás, os mamutes se espalharam no hemisfério norte, da Espanha ao Alasca. Devido ao aquecimento global, que começou há 15 mil anos, o habitat no norte da Sibéria e no Alasca reduziu.

Na Ilha de Wrangel, alguns mamutes foram isolados do continente devido à elevação do nível do mar, e essa população sobreviveu mais 7 mil anos.

“É fácil imaginar que a população, talvez já enfraquecida pela deterioração genética e problemas de qualidade da água potável, poderia ter sucumbido após algo como um evento climático extremo”, diz o professor Hervé Bocherens, do Centro Senckenberg de Evolução Humana e Meio Ambiente da Universidade de Tübingen, coautor do estudo.

A chance de encontrar que seres humanos caçavam os mamutes na Ilha de Wrangel é bem pequena. Mas não pode ser descartado a ideia de que houve uma contribuição humana para a extinção desses mamíferos.

O concurso que reúne as fotos mais cômicas de animais selvagens

*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Marques