Escolas públicas de NY terão aulas apenas presenciais no outono, anuncia prefeito


Bill de Blasio também disse que os cerca de 1 milhão de alunos estarão em salas de aula com protocolos de Covid-19 ainda neste ano letivo, que acaba antes do meio do ano. O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, e a reitora de escolas Meisha Porter cumprimentam aluna que chega a escola no bairro do Brooklyn, em Nova York, em 24 de março
Mark Lennihan/AP
As escolas públicas de Nova York terão apenas aulas presenciais a partir do outono, sem opção de ensino remoto, anunciou o prefeito da cidade, Bill de Blasio, nesta segunda-feira (24).
O outono ocorre no Hemisfério Norte concomitantemente com a primavera no Hemisfério Sul, entre setembro e dezembro.
“Não podemos ter uma recuperação completa sem escolas com força total, todos de volta, sentados nas salas de aula, as crianças aprendendo de novo”, afirmou de Blasio a uma televisão americana.
O prefeito afirmou também que os cerca de um milhão de alunos estarão em salas de aula com protocolos de Covid-19 ainda neste ano letivo, que acaba antes do meio do ano. “É realmente a hora de ir com força total agora”, disse de Blasio.
Nova York fechou as escolas em março de 2020 e foi uma das primeiras grandes cidades dos EUA a reabrir prédios escolares no outono do ano passado, mas a maioria dos pais escolheu o ensino apenas online para seus filhos.
Melissa Jean lê livro em escola no bairro do Brooklyn, em Nova York, em 24 de março de 2021
Mark Lennihan/Pool via AP
Crianças e funcionários que frequentaram salas de aula presencialmente foram testados aleatoriamente para Covid-19, e a cidade relatou taxas muito baixas de transmissão do vírus nas escolas.
O chefe do sindicato que representa os professores da cidade disse que, embora não haja “nenhum substituto para o ensino presencial”, alguns alunos ainda podem precisar de uma opção remota.
“Ainda temos preocupações com a segurança de um pequeno número de alunos com desafios médicos extremos”, disse Michael Mulgrew, presidente da Federação Unida de Professores. “Para esse pequeno grupo de alunos, uma opção remota ainda pode ser necessária”.
Questionado sobre como os funcionários da educação da cidade poderiam superar os medos dos pais que optaram pelo ensino apenas online para seus filhos, de Blasio, um democrata, disse que “muita informação, muita comunicação” seria a resposta.
Ele disse que os pais serão convidados a visitar as escolas de seus filhos a partir de junho para se “reaproximarem” da ideia da escola presencial.
“Qualquer pessoa que tenha uma pergunta ou preocupação, venha à escola de seu filho. Veja o que está acontecendo, obtenha as respostas “, disse o prefeito.
O anúncio foi feito uma semana depois que o governador de Nova Jersey, Phil Murphy, anunciou que as escolas públicas do estado abririam para o aprendizado presencial apenas no outono.
O governador de Nova York, Andrew Cuomo, que entrou em conflito com de Blasio durante a pandemia sobre quem tem o direito de definir as regras do COVID-19 nas escolas de Nova York, não anunciou nenhuma política estadual para o ano letivo de 2021-2022.
De Blasio disse que as escolas da cidade seriam capazes de acomodar todos os alunos de acordo com as diretrizes atuais dos Centros federais de Controle e Prevenção de Doenças que exigem uma separação de 90 cm, mas ele especulou que o padrão pode ser relaxado antes que as escolas públicas da cidade sejam inauguradas em setembro. 13
“Acho que o CDC mudará bastante essas regras entre agora e setembro”, disse de Blasio. “Mas agora, na cidade de Nova York, poderíamos ter cada criança a um metro de distância, poderíamos fazer isso funcionar se precisássemos.”