Entenda o Candida auris, fungo resistente que pode causar a morte

A Candida auris, fungo multirresistente a medicamentos, vem causando preocupação ao redor do mundo. Recentemente, segundo o jornal americano The New York Times, o CDC (Centro de Prevenção e Controle de Doenças), do governo norte-americano, incluiu o Candida auris na lista de germes classificados como ameaças urgentes visto que, segundo o órgão, houve um número crescente de infecções pelo fungo em vários países desde que ele foi reconhecido

Onde esse fungo foi descoberto? De acordo com o CDC, o Candida auris foi identificado pela primeira vez numa infecção no ouvido de um paciente no Japão, em 2009, mas outros estudos de cepas sugerem que o fungo tenha aparecido em 1996 na Coreia do Sul. De acordo com o infectologista Arnaldo Colombo, da Unifesp, o Candida auris seria fruto da evolução do fungo do gênero Candida, que habita o trato gastrointestinal humano, porém, não se sabe em que local houve a evolução desse fungo, gerando uma espécie nova

O que a infecção por este fungo pode causar? Segundo o CDC, a infecção por Candida auris pode causar infecções no sangue, no ouvido e em feridas. O órgão afirma que, embora tenham sido registrados casos com amostras isoladas em fluídos respiratórios e na urina, ainda não é claro se o fungo causaria infecções pulmonares ou na bexiga. A infecção por Candida auris pode ser sistêmica e causar sepse no paciente, podendo levar à morte

Onde foram identificadas infecções pelo Candida auris? De acordo com o CDC, foram identificadas infecções pelo Candida auris na Áustria, Bélgica, Irã, Malásia, Holanda, Noruega, Suíça, Taiwan, Emirados Árabes Unidos, Austrália, Canadá, China, Colômbia, França, Alemanha, Índia, Israel, Japão, Quênia, Kuwait, Omã, Paquistão, Panamá, Rússia, Arábia Saudita, Singapura, África do Sul, Coreia do Sul, Espanha, Reino Unido, nos Estados Unidos (principalmente nas cidades de Nova York, Nova Jersey e Chicago) e na Venezuela

A Candida auris já circula no Brasil? Segundo Colombo, ainda não foram registrados casos de infecção pela Candida auris no território nacional. Entretanto, como o fungo ingressou na América Latina por meio da Venezuela, devido ao grande fluxo migratório de venezuelanos no país, existe a possibilidade de que o Candida auris chegue ao Brasil. Colombo ressalta que a entrada não se daria especificamente por venezuelanos, visto que outros países também registraram a presença do fungo. Desta forma, se uma pessoa infectada vier de outro país e adentrar o ambiente hospitalar, onde há maior perigo de infecção, o fungo pode se disseminar no Brasil

Como a Candida auris é transmitida? A Candida auris pode ser transmitida pelo toque em superfícies e pessoas infectadas, especialmente em ambientes médicos. Colombo afirma que os pacientes infectados podem ficar de semanas a meses com a colonização fúngica na pele e espalhar para outras pessoas. Porém, segundo o CDC, ainda são necessárias maiores investigações sobre a transmissão do fungo

Como é feito o diagnóstico de Candida auris? O diagnóstico da infecção pelo fungo é feito por meio da cultura de sangue ou urina. Porém, o Candida auris é difícil de ser diagnosticado, podendo ser confundido com outros fungos do mesmo gênero. No Brasil, a Anvisa já lançou uma norma técnica orientando os profissionais de saúde a identificar o fungo. Colombo afirma que, no Brasil, embora entidades públicas e privadas tenham uma forte atuação na área de identificação de bactérias, há uma falha na vigilância de fungos no país. Nesta semana, o Ministério da Saúde criou um sistema de vigilância contra fungos

Quem pode pegar essa infecção? Colombo afirma que as pessoas mais propensas a adquirir essa infecção são aquelas que podem ser colonizadas pelo fungo se forem submetidas a procedimentos invasivos, cirurgias, e tiverem que fazer uso de cateteres, desenvolvendo uma infecção associada ao ambiente hospitalar. Porém, se a pessoa for colonizada pelo fungo e tiver uma boa imunidade e não for submetida a um desses procedimentos, ela estaria menos propensa à infecção

Existe tratamento para o Candida auris? Colombo afirma que, quando o paciente está infectado pelo fungo, é necessário que seja feito o seu isolamento para evitar a disseminação do Candida auris. Segundo o CDC, as infecções por Candida auris podem ser tratadas com antifúngicos denominados equinocandinas, mas nem sempre seriam eficazes, necessitando de doses maiores. O CDC afirma que, por ter difícil detecção e tratamento, a infecção por Candida auris podem levar à morte

É possível se prevenir da infecção por Candida auris? De acordo com o CDC, a prevenção à infecções por Candida auris é feita com isolamento do paciente infectado, dar ênfase à higienização das mãos, desinfectar e limpar diariamente o ambiente e equipamentos utilizados pelo paciente, minimizar o contato com o paciente e limitar o número de funcionários que o atendem para evitar infecção

A infecção por Candida auris tem alguma relação com a candidíase vaginal? Colombo afirma que, embora a Candida auris seja um fungo do mesmo gênero da Candida albicans, causadora de candidíases orais e vaginais, elas se tratam de espécies diferentes de fungos. A Candida auris causa uma infecção sistêmica e invasiva, que é disseminada no corpo ao chegar no sangue e é resistente aos antifúngicos. Já a infecção por Candida albicans é superficial e sensível ao tratamento com antifúngicos

Quais os sintomas da infecção por Candida auris? De acordo com o CDC, os sintomas da infecção pelo fungo podem passar despercebidos, visto que a maioria dos pacientes que a contraíram já estavam hospitalizados por outros problemas. Segundo o órgão, os sintomas comuns a infecções invasivas por fungos do gênero Candida são febre e calafrios que não melhoram após o tratamento com antibióticos para uma suspeita de infecção bacteriana
*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini