Empresa francesa cria airbag inteligente para ciclistas


Equipamento custa o equivalente a R$ 3,1 mil, e é acionado milésimos de segundo antes da queda. Empresa francesa cria airbag para ciclistas
Divulgação
Lançado em setembro no mercado, o colete desenvolvido pela empresa francesa Helite antecipa quedas e choques com veículos, protegendo o tórax, o pescoço e as costas. Gérard Thevenot, CEO da companhia, espera que o produto esteja em breve disponível no Brasil.
Na França, 2 milhões de pessoas andam de bicicleta todos os dias e esse número tende a aumentar nos próximos anos. A “magrela” é um meio de transporte ecológico, que vem sendo incentivado e mesmo subvencionado por algumas prefeituras, como é o caso de Paris.
Veja notícias de motos
iFood anuncia seguro contra acidentes para entregadores
Conheça a cidade onde patinetes estão substituindo carros
A cidade multiplica as construções de ciclovias na capital e restringe a circulação de carros para diminuir a poluição e a emissão de gases poluentes.
Em toda a Europa, a estimativa é que 7% dos ativos vão de bicicleta para o trabalho todos os dias. Uma progressão que levou a empresa francesa Helite, especializada em airbags para motoqueiros e cavaleiros profissionais, a identificar um nicho ainda pouco explorado, de proteção para ciclistas, até então restrito ao capacete.
“O colete airbag vai proteger o tórax, o pescoço e o abdômen, lesões bastantes frequentes em acidentes de bicicletas. Em geral, os ciclistas são atingidos por carros que cortam a rodovia ou não conseguem parar quando um caminhão que está na frente freia repentinamente, por exemplo”, explicou Gérard Thevenot, CEO da Helite, à RFI.
Empresa francesa cria airbag para ciclistas
Divulgação
O colete, explica, vai evitar lesões que ocorrem na parte de cima do corpo. Em grande parte dos acidentes, diz, a cabeça é jogada para trás, e atinge as vértebras, com graves consequências.
“O colete também proporciona uma boa proteção nas costas, onde ocorrem cerca de 20% dos ferimentos mais graves”, diz.
O dispositivo foi testado em diversos crash-tests realizados no laboratório da empresa, em Poisy, na região de Haute-Savoie, no leste da França. “Tentamos testar todo tipo de acidente que pode acontecer com um ciclista”, explica Thévenot.
Algoritmo sofisticado
O equipamento, feito de nylon térmico, foi inventado por um grupo de engenheiros da empresa que trabalhou cerca de dois anos em um algoritmo sofisticado, que analisa os movimentos do ciclista em tempo real. Dois sensores, um colocado no colete e outro no banco da bicicleta, se conectam e fornecem a posição do ciclista, a velocidade e antecipam as quedas e os choques.
A detecção do acidente acontece em 60 milésimos de segundo e o airbag enche em 80 milésimos de segundo. “A grande dificuldade foi de fato determinar um algoritmo que desencadeasse o airbag na hora certa, do acidente. Não quando a bicicleta desce uma calçada, freia ou muda de direção, por exemplo”, explica o representante da empresa.
“O colete, desta forma, foi concebido para funcionar somente quando detecta uma colisão com um carro, um caminhão, muro ou obstáculo, ou no caso de uma queda. Se o ciclista cai, mesmo em uma situação de pouco risco, ele estará protegido.”
Empresa visa mercado brasileiro
A empresa espera poder comercializar o produto no Brasil, mas antes precisa fechar um contrato com uma rede de distribuição de material especializada em ciclismo. Outra dificuldade, ressalta Thévenot, é o imposto sobre a importação. “As taxas são elevadas e o custo final do produto acabará sendo alto”, declara.
Na França, o airbag custa 690 euros, o equivalente a R$ 3.140. “Gostaríamos muito de penetrar no mercado brasileiro, há certamente muitas vidas que podem ser salvas”, ressalta.
Só no primeiro trimestre deste ano, em São Paulo, foram registradas 16 mortes com ciclistas em acidentes de trânsito – o que representa 220% a mais em relação ao ano passado. Os dados foram divulgados pelo Infosiga, órgão vinculado ao governo no estado, em abril deste ano.
Proteção para patinetes e pessoas idosas
Com o aumento do número de usuários de patinetes elétricas na França, e dos acidentes, muitas vezes graves e fatais, a empresa agora está desenvolvendo uma proteção específica para o veículo. O airbag também funcionará de maneira preditiva.
“Os movimentos de alguém em cima da patinete são diferentes de uma pessoa em cima de uma bicicleta. Nesse caso, combinamos as informações sobre os movimentos da bicicleta e do ciclista. Unindo os dados, sabemos se se trata de um acidente ou de um uso normal. Agora precisamos trabalhar o algoritmo para a patinete”, detalha.
O mercado dos seniores também está na mira da empresa francesa, que investe na criação de um airbag para pessoas idosas.
“É um dispositivo que protege o quadril. Por volta dos 80, 85 anos, se uma pessoa cai, pode quebrar o fêmur proximal, provocando problemas para andar. Se alguém para de caminhar aos 80 anos, a expectativa de vida diminui muito: a qualidade de vida cai e as pessoas perdem a vontade de viver. Todos nós envelheceremos um dia e vamos precisar desse tipo de produto”, acredita.
Por enquanto, o equipamento está disponível apenas na Europa, já que os Estados Unidos exigem uma certificação específica.