Empresa de petróleo saudita é a mais lucrativa do mundo em 2018


Lucro da Aramco foi de US$ 224 bilhões, quase três vezes o obtido pela Apple. Vista geral da fábrica de Gás Natural no campo petrolífero da Saudi Aramco Shaybah no Empty Quarter, na Arábia Saudita.
Ahmed Jadallah/Reuters
A Saudi Aramco, maior produtora de petróleo do mundo, obteve lucro (antes de juros, impostos e depreciação) de US$ 224 bilhões no ano passado, quase três vezes maior que o da Apple, apontaram números da estatal saudita divulgados na segunda-feira (1º), antes do lançamento de seus títulos internacionais.
Antes relutante em divulgar suas finanças, a Aramco teve de revelá-las para obter um grau de recomendação público e iniciar a emissão de seus títulos internacionais.
Apesar do grande lucro, a gigante estatal do petróleo foi classificada por agências de crédito em linha com a Arábia Saudita, o que significa que a economia lenta do reino pesará sobre o custo de empréstimo da Aramco, conforme a empresa prepara sua estreia no mercado de títulos.
Os lucros da Aramco ultrapassam os da Apple, classificada pela “Forbes” como a principal empresa em termos de lucro no ano passado, quando registrou lucros normalizados de US$ 81,1 bilhões.
O ministro da Energia saudita, Khalid al-Falih, disse mais cedo neste ano que a venda de títulos planejada pela Aramco levantaria cerca de US$ 10 bilhões, mas fontes bancárias apontam que a transação pode ser maior.
O acordo de títulos planejado é a transação inaugural da Aramco em mercados internacionais. A empresa ainda planeja lançar uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em 2021, com expectativa de gerar US$ 100 bilhões, tendo adiado suas emissões de empréstimo, inicialmente previstas para 2018.
As agências de classificação de risco Fitch e Moody’s deram à Aramco graus de recomendação A+ e A1, respectivamente, mas ambas disseram que sem as coações de classificação da Arábia Saudita, a empresa estaria em nível semelhante a petroleiras como Exxon Mobil, Chevron e Shell.