Em reunião do G20, Trump diz que Acordo de Paris ‘mata a economia’ dos Estados Unidos, 2º maior emissor de carbono do mundo


De saída da Casa Branca, o presidente dos EUA disse que retirou o país do tratado para ‘proteger os trabalhadores americanos’. Donald Trump, presidente dos EUA, deixa a Casa Branca neste domingo (22)
Jacquelyn Martin/AP Photo
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou neste domingo (22), durante reunião virtual do G20, o Acordo de Paris. O governo do republicano anunciou a retirada do tratado em 2019, mas o presidente eleito Joe Biden já afirmou que reverterá a medida depois que tomar posse.
Para Trump, o acordo — que estabelece metas na redução das emissões de carbono — foi feito para “matar a economia americana”. A recusa em adotar meios de produção mais sustentáveis fez parte da campanha malsucedida do presidente em se reeleger, ao alegar que o comprometimento com medidas como o Acordo de Paris leva os EUA a perder postos de emprego.
‘Acordo de Paris foi criado para destruir economia dos EUA’, diz Trump em reunião do G20
“Para proteger os trabalhadores americanos, eu retirei os Estados Unidos do injusto e unilateral Acordo de Paris — um acordo muito injusto para os EUA”, disse Trump em declaração transmitida a partir da Casa Branca a outros líderes do G20.
“[O Acordo] não foi projetado para salvar o meio ambiente. Foi feito para matar a economia americana”, disse.
Trump também alega que os EUA reduziram as emissões de dióxido de carbono mais do que outros países. Embora seja verdade nominalmente, segundo a Associated Press, a diminuição no país sequer esteve entre as 10 maiores do planeta, em termos proporcionais.
Mais de 180 países ratificaram o Acordo de Paris, cuja meta é evitar que o aumento da temperatura em 1,5°C, idealmente. Segundo cientistas, se essa alta ultrapassar 2°C, o mundo pode vivenciar aumento no nível do mar, maiores tempestades tropicais e novas enchentes e desequilíbrio climático.
Os EUA são o segundo maior emissor de gases estufa do mundo, segundo dados do observatório Climate Watch. Em primeiro lugar, está a China. Na reunião do G20, o presidente chinês, Xi Jinping, disse que o país está comprometido em neutralizar as emissões de dióxido de carbono até 2060.
Bolsonaro: ‘Ataques injustificados’
Bolsonaro no G20
JN
O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (22), em discurso no segundo dia de reunião de cúpula do G20, que seu governo vai “continuar protegendo” a Amazônia, o Pantanal e todos os outros biomas do país.
A declaração ocorre em meio à divulgação de dados que apontam para aumento do desmatamento da floresta e para número recorde de queimadas no Pantanal neste ano. A aceleração da destruição dos dois biomas gerou críticas ao governo dentro e fora do país.
‘Ataques injustificados’, diz Bolsonaro no G20 sobre política ambiental do governo
Em seu discurso, Bolsonaro citou dados para afirmar que se baseia na “realidade dos fatos” e não em “narrativas”, mas especialistas ouvidos pelo G1 contestam as afirmações do presidente. Veja mais na reportagem sobre o assunto.
“O hino nacional de meu país diz que o Brasil é gigante pela própria natureza. Estejam certos de que nada mudará isso. Vamos continuar protegendo nossa Amazônia, nosso Pantanal e todos os nossos biomas”, afirmou Bolsonaro.
Mais VÍDEOS do G1 sobre natureza