‘Em Nome de Deus’: Casos de abusos e história de João de Deus viram série documental no Globoplay


Equipe do ‘Conversa com Bial’ mostra bastidores da investigação, reúne vítimas pela 1ª vez em roda de conversa e conta casos fora do país. Série estreia na terça (23). “Em Nome de Deus” é a nova série documental do Globoplay e conta a história e os casos de abusos que João de Deus cometeu ao longo dos anos em Abadiânia (GO). A estreia é na terça-feira (23).
Ao longo de seis capítulos, a série mostra os bastidores da investigação que levou à denúncia da coreógrafa holandesa Zahira Mous no “Conversa com Bial”, em dezembro de 2018.
A partir do programa, centenas de mulheres denunciaram João ao Ministério Público, que foi preso e condenado a 40 anos de prisão.
João de Deus, preso em Goiás sob acusação de abuso sexual
Reprodução/TV Anhanguera
A série traz o encontro inédito de sete vítimas, inclusive uma filha de João de Deus, para falar sobre os abusos com a mediação da jornalista e roteirista Camila Appel, que divide a condução com Pedro Bial.
“O momento da roda é, sem dúvida, o coração da série. Toda vez que eu colhia o depoimento, eu perguntava se elas tinham vontade de se encontrar e a primeira resposta era sim”, diz Camila, em entrevista coletiva por vídeo com jornalistas.
“O encontro tem objetivo de tentar mostrar que esse compartilhar da dor pode ser bonito, algo pode surgir de lá. Essa dor ser transformada”, continua.
Roda de conversa de vítimas de João de Deus é mostrada na série documental “Em Nome de Deus”, do Globoplay
Divulgação
Camila foi a pessoa que começou a investigar os casos e descobriu a história de Zahira, que depois de muitas conversas e entrevistas foi ao programa em 2018. Até hoje mulheres a procuram para falar de outros casos.
Pedro Bial lembra como foi importante conduzir o tema com delicadeza, não só no programa como também no documentário.
“Como as histórias em alguns casos são quase nauseantes, são horripilantes, você não pode manchetar, você não pode pesar a mão, porque tudo já é muito pesado”, explica Bial.
“Você tem que tratar as coisas em um tom muito delicado, com muito cuidado, porque qualquer coisa pode transbordar”.
Ele conta que tentou entrevistar João de Deus várias vezes, desde antes da denúncia de Zahira e ainda segue tentando.
“‘Em Nome de Deus’ é a história de mulheres e de sua coragem de reagir. Mais do que resistir, de agir, a partir do sofrimento, da humilhação e do massacre que sofreram. É um documentário sobre a voz das mulheres”, afirma o jornalista.
Gravações em Abadiânia e no exterior
Além das imagens de arquivo e dos depoimentos marcantes, a equipe fez gravações em Abadiânia (GO) e na Holanda e nos Estados Unidos, para mostrar os caminhos e outros casos nem tão conhecidos.
Para gravar na cidade onde João de Deus recebia milhares de pessoas na Casa de Dom Inácio de Loyola, o diretor Ricardo Calil diz que a equipe fez cinco visitas à cidade.
Documentário mostra entrevista em vídeo de Bial com a coreógrafa Zahira, antes do programa ‘Conversa com Bial’
Reprodução/Globoplay
“Chegamos devagar, com muita cautela e cuidado para vencer a barreira natural [de ser a equipe do programa que fez a primeira denúncia]”, continua.
No final, ele, a equipe e o diretor Gian Carlo Bellotti conseguiram gravar dentro da Casa e dizem que foram bem recebidos.
“É um documentário que a gente ouviu uma certa quantidade de nãos, mas com delicadeza, com insistência, alguma disciplina a gente foi chegando a algumas pessoas importantes, como o advogado, um palestrante da casa”, diz Calil.
“Em Nome de Deus” estará disponível na terça-feira (23) no Globoplay e também vai ser exibida no Canal Brasil a partir de quarta-feira (24).
Camila Appel é roteirista e divide a condução da série documental ‘Em Nome de Deus’ com Pedro Bial
Globo/ Maurício Fidalgo
João de Deus é condenado a 40 anos pelo estupro de cinco mulheres