Em casa, Ivete Sangalo faz a festa rolar animada em ‘live da alegria’


O carisma, a musicalidade e os hits carnavalescos da cantora garantiram o pique de apresentação que durou duas horas e meia. Ivete Sangalo na live transmitida pela TV Globo, pelo Globobay e pelo canal Multishow
Reprodução / Vídeo
Resenha de live – Em casa
Artista: Ivete Sangalo
Data: 25 de abril de 2020, das 22h30m às 1h
Cotação afetiva: * * * * *
♪ “Vai começar a live da alegria”, anunciou pontualmente Ivete Sangalo, às 22h30m, ao entrar no ar simultaneamente na TV Globo, na plataforma Globoplay, no canal Multishow e nas redes sociais da cantora. Era noite de sábado, 26 de abril.
Ivete estava em casa, no palco improvisado à frente da cozinha. E foi de casa que a artista fez rolar a festa para todo o Brasil ao inaugurar o projeto Em casa – da TV Globo e do Globoplay – com o já notório carisma, com a voz tinindo e com um repertório pontuado por hits carnavalescos da música baiana, motes de farto roteiro animado, encerrado após duas horas e meia de apresentação que jamais perdeu o pique e que, minutos antes do fim, atingiu pico de alegria com medley com sucessos da disco music.
Já era uma hora da madrugada deste domingo, 26 de abril, quando Ivete encerrou a live mais festiva da quarentena após encadear 44 músicas em roteiro pautado tanto por sucessos da cantora como por incursões por hits alheios. No fim, o pijama usado com figurino já estava suado. E o chão da casa estava cheio de confetes como se fosse o chão da Praça Castro Alves, epicentro da folia de Salvador (BA), em dia de Carnaval.
Solidária, a live de Ivete também arrecadou dinheiro (cerca de R$ 400 mil) que, doado pelo público, será encaminhado a instituições que atendem populações carentes na pandemia. O público estava em casa, claro, mas, na casa de Ivete, os fãs foram personificados por bonecos dos filhos, alinhados na sala como se fossem os espectadores do show.
Encerrada com o axé O mundo vai (Ivete Sangalo, Gigi, Ramon Cruz, Samir Trindade, Radamés Venâncio e Tierry Coringa), petardo certeiro que já havia sido disparado pela cantora na parte inicial da live, a apresentação de Ivete simbolizou um breve tempo de alegria em momento aflitivo da humanidade.
Ivete Sangalo na live iniciada na noite de sábado, 25 de abril, e encerrada somente na madrugada de domingo, 26
Reprodução / Vídeo
A cantora mandou bem, enfileirando um hit atrás do outro. Para quem acompanha o sobe-e-desce ladeira da axé music no mercado musical, foi fácil identificar sucessos sempre presentes nos Carnavais feitos por Ivete dentro e fora de época, casos de Festa (Anderson Cunha, 2001), do samba-reggae Sorte grande (Lourenço, 2003) e de Cadê Dalila? (Carlinhos Brown e Alain Tavares, 2009). A diferença é que, ao já conhecido bordão “Tira o pé do chão”, a cantora acrescento outro, apropriado para esse período de isolamento social: “Empurra o sofá!”.
Na companhia do marido Daniel e do filho Marcelo Sangalo, que tocou percussão sobre as bases musicais pré-gravadas em músicas como O farol (Ramon Cruz, 2015), Ivete fez a festa com a adesão virtual de colegas como Claudia Leitte e Léo Santana. As vozes dos cantores foram ouvidas na live, reproduzidas das gravações originais de músicas que gravaram em dueto com Ivete.
Goste-se ou não da estrela baiana, o talento de Ivete como cantora é inegável. Além da voz, a baiana tem suingue e musicalidade, como provou na live ao surfar no ritmo de Além do horizonte (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1975).
A espontaneidade – perceptível quando a cantora disse que ia fazer “embromation” por não saber a letra de I will survive (Freddie Perren e Dino Fekaris, 1978), sucesso da cantora norte-americana Gloria Gaynor na era da disco music – também contribuiu para angariar simpatia popular para Ivete.
Na live inaugural do projeto Em casa, todas essas qualidades da cantora fizeram rolar uma festa digna de sábado à noite. O trio elétrico partiu da casa de Ivete Sangalo e foi atrás do público.