Duração de furacões aumenta com aquecimento global, sugere estudo publicado na ‘Nature’


Aumento da temperatura dos oceanos no Atlântico Norte faz com que furacões carreguem mais umidade quando tocam o solo, o que os deixa mais fortes, dizem cientistas de uma universidade japonesa. A destruição causada por eles também deve ir mais para dentro do continente à medida que a temperatura do planeta sobe. Menino anda carregando pneu no ombro em meio a rua alagada após chuvas fortes na cidade de Villahermosa, no estado mexicano de Tabasco, no dia 11 de novembro.
Angel Hernandez/AFP
Uma pesquisa publicada na quinta-feira (11) na revista científica “Nature”, uma das mais importantes do mundo, aponta que os furacões do Atlântico Norte estão levando mais tempo para perder força com o aquecimento global – ou seja, eles estão durando mais tempo.
O estudo também aponta que, à medida que o planeta esquenta, a destruição trazida pelos furacões deve avançar, de forma progressiva, para o interior do continente.
As conclusões são de dois cientistas da Universidade de Pós-Graduação do Instituto de Ciência e Tecnologia de Okinawa, no Japão.
Veja os principais pontos do estudo:
Os cientistas analisaram a intensidade de furacões no Atlântico Norte que tocaram o solo no período de 1967 a 2018. Eles descobriram que, enquanto nos anos 60 um furacão típico perdia cerca de 75% da sua intensidade um dia após tocar o solo, hoje essa perda é de apenas 50%.
Isso está ocorrendo porque os furacões são alimentados pela umidade marinha. Usando simulações de computador, os pesquisadores mostraram que, com o aumento da temperatura dos oceanos, aumenta a umidade que o furacão carrega ao tocar o solo.
Os achados apontam que, à medida que o planeta for aquecendo, o poder destrutivo dos furacões vai se estender, de forma progressiva, mais longe para dentro do continente.
“Pontuamos que nossas descobertas têm implicações diretas para os danos infligidos por furacões em um mundo em aquecimento”, dizem os pesquisadores no estudo.
Prejuízo econômico
Homem carrega televisão enquanto atravessa rua inundada, nesta quinta-feira (12), depois que o Tufão Vamco atingiu a cidade de Marikina City, nas Filipinas.
Ted Aljibe/AFP
Os cientistas lembram que, mesmo quando a intensidade do furacão ao tocar o solo permanece a mesma, a perda mais lenta de intensidade significa que regiões mais para o interior do continente enfrentam ventos cada vez mais intensos, acompanhados por fortes chuvas. Consequentemente, dizem, o custo econômico incorrido continua crescendo.
Eles ambém pontuam que, por mais de um século, a frequência e a intensidade dos furacões ficaram praticamente inalteradas, mas as perdas econômicas causadas por eles vêm aumentando de forma contínua.
Tsunamis no Ártico: a mais nova e perigosa ameaça das mudanças climáticas
Mais de 14 milhões de toneladas de plástico podem estar no fundo dos oceanos, aponta estudo
Um argumento para isso, dizem, era de que esse aumento dos custos ocorria por causa do crescimento da população costeira e do patrimônio das pessoas. Sob essa ótica, o aquecimento do planeta não teria nenhum papel.
Mas, no artigo, os cientistas pontuam que esse pensamento pode não incluir custos associados a uma perda de força mais lenta dos furacões com o aumento da temperatura terrestre.
“Para o planejamento de risco, chamamos a atenção para as regiões do interior – elas estão menos preparadas para furacões do que as regiões costeiras, e, portanto, são mais vulneráveis aos danos de furacões que se deterioram lentamente”, concluem os pesquisadores.
Veja os VÍDEOS mais assistidos do G1 nos últimos 7 dias: