Duo de Roberta Sá com André Mehmari aponta (um) caminho para cantora


Artista e pianista se afinam em quatro números apresentados na programação do ‘Festival de Inverno’. ♪ Antes de a pandemia do covid-19 paralisar a produção de espetáculos presenciais, a partir de março, Roberta Sá preparava show inédito para comemorar em 2020 os 40 anos de idade – a serem festejados em dezembro – e os 15 anos de carreira, tomando como ponto de partida a edição do álbum Braseiro em 2005.
Essa turnê comemorativa continua à espera da normalização do mercado de shows. Contudo, apresentação virtual da cantora com o pianista André Mehmari – pré-gravada na cidade de São Paulo (SP) e transmitida na noite de quinta-feira, 6 de agosto, dentro da programação da edição 2020 do Festival de Inverno, da Dell’Arte – aponta (um) caminho para a cantora.
Foi o primeiro trabalho da cantora no formato de voz e piano, molde que favorece intérpretes que prezam o rigor estilístico, caso de Roberta Sá.
Com o toque sempre preciso do piano de Mehmari, Roberta deu voz límpida às músicas Paratodos (Chico Buarque, 1993), Shangri-lá (Rita Lee, 1980), Por baixo (Tom Zé, 2015) e a um medley que agregou O que tinha de ser (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, 1959) e Sabiá (Antonio Carlos Jobim e Chico Buarque, 1968).
Se Roberta Sá quiser, já há pelo menos um EP com Mehmari… Ou o projeto de show mais completo com o virtuoso pianista, com quem a cantora se afinou e se entendeu musicalmente bem – sobretudo na abordagem de Por baixo, música lúdica de Tom Zé lançada por Gal Costa no álbum Estratosférica (2015) e talhada para o canto leve da artista – a julgar pelos quatro números apresentados pelo duo no Festival de Inverno.