Doria diz que ‘São Paulo não remunera professores para ficarem em casa tomando suco de laranja e sendo preguiçosos’

Declaração foi dada em Presidente Prudente na quinta-feira, após protesto de professores. Governo anunciou nesta sexta-feira reajuste a professores que equipara salário a piso nacional da categoria. Doria fala sobre professores em Presidente Prudente
O governador João Doria (PSDB) disse na quinta-feira (20) em Presidente Prudente que “São Paulo não remunera professores para ficarem em casa tomando suco de laranja e sendo preguiçosos”.
A declaração foi dada em meio a um protesto de professores ligados ao Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) em razão da visita de Doria à cidade do oeste paulista.
Nesta sexta-feira (21), o governo anunciou reajuste salarial de até 12,84% nos salários dos professores da rede estadual por meio de abono –com o que atinge o piso nacional da categoria, estabelecido pelo governo federal, de R$ 2.886,24 para uma jornada de 40 horas. A Apeoesp entende que abono não é reajuste, pois não conta, por exemplo, para o cálculo de aposentadoria.
Em Prudente, Doria disse que os professores são bem remunerados:
“Os professores estão sendo, sim, bem remunerados, mas remunerados de acordo com a sua produtividade. São Paulo não remunera professores para ficarem em casa tomando suco de laranja e sendo preguiçosos. São Paulo remunera professores que trabalham, esses merecem remuneração, atenção e respeito”.
Ao jornal Folha de S.Paulo, a assessoria do governador disse que, na fala, Doria se referia “especificamente a cerca de dez sindicalistas que diziam representar os docentes em pleno horário escolar, enquanto os professores de verdade, a quem o governador tem profundo respeito, estavam trabalhando”.
O governador citou ainda que São Paulo paga bônus a professores por desempenho ao atingir metas do índice estadual da educação básica. “Esses professores estão sendo contemplados com mais recursos à medida que cumprem sua missão.”
William Hugo Correia dos Santos, coordenador regional da Apeoesp na região de Presidente Prudente, disse que falta comprometimento do governador com a educação, e que os professores trabalham com compromisso com os alunos.