Dólar opera em alta, abaixo de R$ 4, com elevada aversão ao risco no exterior

No dia anterior, a moeda norte-americana subiu 0,05%, vendida a R$ 3,9774. Trump impõe tarifas a produtos do México para forçar país a controlar migração
O dólar opera em alta nesta sexta-feira (31), abaixo de R$ 4, com elevada aversão ao risco no exterior após ameaças tarifárias dos Estados Unidos ao México e com dados fracos da China, em pregão que ainda deve ter volatilidade na parte da manhã em função da formação da taxa Ptax de fim de mês.
Às 9h43, a moeda norte-americana subia 0,17%, vendida a R$ 3,9835. Veja mais cotações.
No dia anterior, a moeda norte-americana subiu 0,05%, vendida a R$ 3,9774. No mês, o dólar sobe 1,7% e, no ano, 2,9%.
O BC realiza nesta sessão leilão de até 5,05 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de julho, no total de US$ 10,089 bilhões.
Cenário externo
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na noite de quinta-feira (30) que vai taxar todos os produtos importados do México em 5% até que o país vizinho elimine ou reduza drasticamente a entrada de imigrantes clandestinos em território norte-americano. A medida começa a valer em 10 de junho. Essa taxação vai aumentar gradualmente, caso não haja queda na imigração ilegal.
De acordo com a Reuters, a atividade industrial da China caiu em uma contração mais forte do que os mercados esperavam em maio, aumentando a pressão sobre Pequim para adotar mais medidas de estímulo para sustentar a economia afetada pela guerra comercial com os Estados Unidos. As encomendas de exportação ampliaram o recuo pelo 12º mês seguido. As encomendas de importação também contraíram a um ritmo mais forte, refletindo o enfraquecimento da demanda em casa apesar de uma série de medidas de suporte ao crescimento.