Diga x! Samambaia tira sua primeira selfie em zoológico de Londres

Dispositivo utiliza energia da fotossíntese da planta para tirar fotos

Dispositivo utiliza energia da fotossíntese da planta para tirar fotos
Reprodução/ ZSL

Os cientistas da ZSL (Sociedade Zoológica de Londres), na Inglaterra, desenvolveram um mecanismo que permitiu a primeira selfie tirada por uma planta. O experimento poderá ser usado para monitorar locais remotos, levantar dados sobre desmatamento e acompanhar mudanças climáticas pelo planeta

Leia também: Chuva de meteoros cruza o céu na madrugada desta terça-feira (22)

Os pesquisadores instalaram uma câmera na planta que consegue utilizar a energia produzida pela fotossíntese da própria samambaia para funcionar. Assim, Pete consegue fazer um registro em imagem a cada 20 segundos.

“As plantas depositam naturalmente a matéria orgânica no solo à medida que crescem. Isso por sua vez alimenta bactérias presentes no solo, que produzem energia que pode ser aproveitada em células de combustível. Esse equipamento pode alimentar remotamente uma ampla gama de ferramentas vitais de conservação, incluindo sensores, plataformas de monitoramento e câmeras”, explica o especialista em tecnologia de conservação da ZSL, Al Davies.

Pete pode realizar fotos próprias e de outros seres vivos a cada 20 segundos

Pete pode realizar fotos próprias e de outros seres vivos a cada 20 segundos

Reprodução/ ZSL

A câmera utilizada nessa selfie inédita é um modelo simples fabricado pela empresa americana de inteligência artificial Xnor.ai. O dispositivo depende de pouca energia para funcionar e consegue ficar ligada durante 24 horas por dia.

Leia também: ‘Blob’: o que é a misteriosa criatura com 720 sexos e sem cérebro

“A maioria das fontes de energia tem limites – as baterias devem ser substituídas enquanto os painéis solares dependem de uma fonte de luz solar – mas as plantas podem sobreviver na sombra, movendo-se naturalmente para a posição de maximizar o potencial de absorção da luz solar – o que significa que o potencial de energia movida a planta é praticamente ilimitado”, explica Davies.

Com esse resultado, as plantas podem ser usadas para monitorar florestas tropicais, por exemplo, e registrar dados importantes como temperatura, umidade e crescimento da vegetação. 

Por enqunato, vamos aguardar as próximas selfies da Pete!

Conheça 9 alimentos que podem ser plantados na Lua e até em Marte

*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Marques