Crise do coronavírus: veja o que muda nas operações no Brasil de empresas aéreas e ligadas ao turismo


Decolar.com apresenta comunicado no site sobre suspensão de vendas pelos próximos 30 dias. Azul e Air France-KLM anunciam modificações de suas operações. Veja abaixo uma lista com o o que foi anunciado até o momento por grandes empresas ligadas a viagens e turismo sobre suas operações após o surto mundial de coronavírus.
Vamos atualizar essa nota conforme forem divulgados novos anúncios relacionados ao Covid-19 por companhias do setor.
Entidades nacionais do setor de turismo estimam que a taxa de cancelamento de viagens no mês de março de 2020 já chegou a 85%. Nesta segunda (16) as associações encaminharam uma carta para o Ministério do Turismo com um pedido de medidas emergenciais para garantir a sustentabilidade das empresas do setor.
Do lado do viajante, a Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) havia informado na semana passada que está discutindo diretamente com os fornecedores de passagens e hospedagens para que eles facilitem “remarcações ou reembolso, sem custo, aos passageiros que não se sentirem confortáveis em viajar neste momento”.
Sites de buscas de passagem e hospedagem
Tela do site da Decolar.com informa que compra de passagens não estão habilitadas para os próximos 30 dias
Imagem de tela
Decolar.com: a busca de passagens e hospedagens pelo site traz o seguinte comunicado: “Como medida sanitária, e de acordo com as recomendações de organizações internacionais, as viagens para esse destino se encontram comprometidas e não estarão habilitadas nos próximos 30 dias. Se desejar, refaça a sua busca para datas posteriores ou outro destino. Sabemos que viajar é importante para você, pedimos apenas a sua compreensão em esperar alguns dias”
Procurada pelo G1 para mais detalhes, a empresa declarou que ainda irá se posicionar sobre esse anúncio.
Airbnb: o app que faz intermediação entre hóspedes e donos de imóveis afirma que está atualizando “diariamente as políticas de causas de força maior, que prevê o cancelamento de hospedagens sem cobrança”. Também anuncia que criou um programa para facilitar o cancelamento de hospedagens não somente dos lugares incluídos na política de causa de força maior e diz que os hóspedes que utilizarem o Airbnb para realizar uma reserva terão acesso a filtros de pesquisa que mostram a política de cancelamento mais adequada com o perfil de cada viajante (flexível, moderada ou severa) e as perspectivas atuais do Covid – 19. Os anfitriões terão acesso a novas ferramentas para autorizar reembolsos extras diretamente na plataforma”.
Booking: site de buscas de hospedagem diz que está “monitorando de perto os acontecimentos, inclusive os anúncios da Organização Mundial da Saúde (OMS), dos governos e das autoridades locais relevantes, a fim de apoiar as partes impactadas. Isto inclui oferecer cancelamento gratuito ou modificação da reserva para as pessoas viajando para ou oriundas de áreas afetadas”. A companhia recomenda contato para mais informações pelo serviço de atendimento.
Trivago: em nota, a Trivago informou que é uma plataforma que apenas agrega hospedagens, e não realiza as reservas diretamente. “Qualquer cancelamento é resolvido entre o proprietário do imóvel e o hóspede, ou hotéis no caso.”
Veja também: qual é a posição do Ministério Público Federal e do Procon-SP sobre o direito de cancelar passagem sem multa
Coronavírus: veja perguntas e respostas
Aviação
Azul: a empresa anunciou nesta segunda (16) a redução de sua capacidade consolidada de 20% a 25% no mês de março, e entre 35% a 50% em abril e meses seguintes, até que a situação relacionada ao surto de coronavírus se normalize.
A companhia aérea também já havia comunicado que, partir de 16 de março, todos os voos internacionais, exceto os que partem de Campinas (SP), serão suspensos.
A Azul também havia dito que disponibiliza reembolso integral sem cobrança de multa para clientes com conexão em Lisboa ou Porto que têm como destino ou origem a Itália.
American Airlines: todos os voos para São Paulo, Brasília e Manaus estão suspensos até o dia 6 de maio. Voos de Dallas para São Paulo serão suspensos entre 19 de março e 3 de junho. Viagens de Los Angeles para São Paulo ficam interrompidas entre 19 de março e 24 de outubro. A empresa pede para que procure seus canais de comunicação sobre alterações em relação a passagens.
A companhia aérea anunciou que irá renunciar às taxas de mudança para clientes que compraram passagens antes de 11 de março para viajar para a Europa, incluindo o Reino Unido, até 31 de maio. Sobre os clientes que tiveram os voos cancelados, a empresa informou que entrará em contato com diretamente por e-mail ou telefone. Os clientes que optarem pelo reembolso total poderão realizar a solicitação online.
Air France e KLM: o grupo Air France-KLM informou nesta segunda (16) que vai reduzir gradualmente suas atividades de voo e o número de assentos por quilômetro disponível sofrerá diminuição entre 70% e 90%.
Sobre cancelamentos e remarcações de passagens, a empresa afirma que clientes só podem solicitar reembolso em caso de voos cancelados ou com atraso de mais de três horas. A empresa informou que está realizando mudanças operacionais diariamente conforme as atualizações referente ao surto de coronavírus.
Segundo a KLM, os voos para Milão e Veneza foram interrompidos temporariamente. A companhia continua operando nas cidades de Bolonha, Turim, Florença, Roma, Gênova, Nápoles e Catânia. Na China, a companhia suspendeu as operações em Hong Kong, Chengdu, Hangzhou e Xiamen até o dia 3 de maio.
Gol: “Até o momento não há recomendações para evitar os destinos operados pela Gol no Brasil, nos Estados Unidos ou nos países da América do Sul e América Central. Nossa programação de voos passará por ajustes que visam garantir o equilíbrio entre o novo cenário de demanda e a qualidade e amplitude da nossa malha aérea”, diz nota enviada pela companhia.
Sobre cancelamento ou remarcação de passagens, a Gol informou que não opera voos para Itália, epicentro do novo coronavírus na Europa. A empresa diz que cumpre os regulamentos da Anac e que seus canais estão à disposição de passageiros para sanar dúvidas.
Latam: a empresa anunciou um corte de 30% na capacidade de voos internacionais.
A rota São Paulo-Milão foi suspensa entre os dias 2 de março e 16 de abril. Todos os clientes com passagens dentro desse período com origem ou destino na Itália poderão remarcar data e/ou destino do bilhete sem multa (mas com diferença tarifária) ou pedir reembolso completo, de acordo com a validade do bilhete. Voos com origem ou destino na Itália programados até o dia 30 de abril poderão ter remarcados data e/ou destino para viajar até 31 de dezembro deste ano
Passageiros com voo para Israel, país que exigiu quarentena para ingresso no país, poderão remarcar data ou destino do voo sem multa (mas com diferença tarifária) para viajar até 31 de dezembro deste ano
Todos os voos internacionais com reservas feitas entre 6 e 22 de março poderão remarcar data e/ou destino do voo sem multa (mas com diferença tarifária). A alteração poderá ser feita uma única vez, até 14 dias antes da partida do voo original, e para viagens até 31 de dezembro deste ano
Para demais voos e destinos, a Latam informou que mantém a programação normal e que avaliará pontualmente caso a caso questões de flexibilização de regras.
Air China: diz que permite a alteração ou cancelamento para as passagens adquiridas antes do dia 28 de janeiro sem custo adicional.
Cruzeiros
O Ministério da Saúde determinou o cancelamento de cruzeiros turísticos no país. Viagens que já estão em curso devem concluir as atividades. Os que ainda não estão em alto mar, serão notificados sobre a decisão pelo ministério.
Costa Cruzeiros: a empresa antecipou o fim da temporada brasileira e interrompeu operações no país a partir da próxima terça (17). Embarques programadas para datas posteriores estão cancelados. A companhia declarou que “já está em contato com os hóspedes e as agências de viagens afetadas por essas mudanças, oferecendo créditos para a realização dos cruzeiros em outro período”. 
Pontos turísticos conhecidos com atividades suspensas
Veja como famosos pontos turísticos ou de grande circulação pelo mundo foram afetados pelo coronavírus
Torre Eiffel (França)
Museu do Louvre (França)
Disneyland (Califórnia)
Walt Disney World (Flórida)