Criminosos usam explosivo em ponte e incendeiam carros no 12º dia de ataques no Ceará


Estado sofre sequência de ações criminosas após anúncio de medidas para tornar mais rigorosa fiscalização nos presídios. Neste sábado, Assembleia Legislativa aprovou pacote de medida contra onda de violência. Membros de facções criminosas voltaram a cometer ataques no Ceará na madrugada deste domingo (13) na tentativa de fazer com que o estado recue de medidas que tornam mais rigorosa a fiscalização nas penitenciárias.
No 12º dia da onda de violência, bandidos detonaram explosivos em uma ponte da BR-116 na Grande Fortaleza e incendiaram veículos em duas cidades.
Trecho da BR-116 na Grande Fortaleza onde explosivos foram detonados durante a madrugada deste domingo, 13
Rafaela Duarte/G1
A ponte sobre o Rio Choró, na cidade de Chorozinho, foi interditada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nesta madrugada, após a detonação de explosivos na parte inferior da estrutura. Ainda não há informação sobre a dimensão do dano causado à ponte, conforme a PRF.
Motoristas que trafegam entre as cidades de Fortaleza e Chorozinho devem fazer a rota pela cidade de Horizonte.
Explosivos foram detonados na estrutura da ponte sobre o Rio Choró, na Grande Fortaleza.
Arquivo pessoal
Pessoas que moram próximo ao local, na entrada da cidade, relataram um “tremor” com o impacto da detonação. “Estremeceu até a janela daqui de casa, parecia um tremor de terra. Foi um estrondo muito grande”, afirmou um morador da região, que não quer se identificar. A casa dele ficou com ranhuras nas paredes após a explosão.
Os crimes ocorreram após a apreensão de cerca de cinco toneladas de explosivos no Bairro Jangurussu, na periferia de Fortaleza, na tarde de sábado (12).
Veículo é incendiado em Umirim, no interior do Ceará, em ataque coordenado por facções criminosas.
Arquivo pessoal
Segundo a Polícia Civil, membros de uma facção criminosa presa no depósito forneciam o material explosivo utilizado nos crimes.
Entre a noite de sábado e a madrugada deste domingo também foram incendiados carros particulares em Umirim, no interior do estado, e em Fortaleza, no Bairro Siqueira.
A onda de violência começou em 2 de janeiro, um dia após Mauro Albuquerque tomar posse do cargo de secretário da Administração Penitenciária, pasta criada no segundo mandato de Camilo Santana.
Mauro Albuquerque fez operações para apreender celulares nos presídios e prometeu acabar com a divisão de presos conforme a facção criminosa a que pertencem. Os ataques são uma tentativa de fazer com que o governo desista das ações. O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou que “não há recuo”.
Nos 12 dias de crimes, foram 198 ações violentas em 43 municípios; 330 suspeitos foram presos, conforme a Secretaria da Segurança do Ceará.
O Ministério da Justiça confirmou também a transferência, para presídios federais, de 35 chefes de facção que ordenavam os ataques.
Medidas da Assembleia contra os ataques
Deputados estaduais do Ceará votam em sessão extraordinário pacote de medidas para tentar conter violência
Kilvia Muniz/SVM
Na noite de sábado (12), em sessão extraordinária durante o recesso parlamentar, os deputados estaduais aprovaram um pacote de medidas na tentativa de fortalecer o combate às facções criminosas.
Estiveram presentes 36 dos 46 deputados estaduais do Ceará. O governador Camilo Santana prometeu assinar o pacote neste domingo e publicar em edição extra do Diário Oficial do Estado.
As medidas aprovadas por aclamação na Assembleia são:
Lei da Recompensa, que paga em dinheiro quem denunciar autores de ataques ou fornecer informações que possam prevenir crimes;
Retirada das tomadas em celas de presídios, para evitar que criminosos possam usar carregadores de celular;
Aumento de 48 para 84 o máximo de horas extras que policiais civis, militares e bombeiros podem fazer por mês;
Convocação de policiais da reserva para aumentar o efetivo nas ruas;
Criação de um banco de informações sobre veículos destruídos na onda de ataques;
Restrição da presença de pessoas no entorno dos presídios, com objetivo de evitar fugas;
Criação do Fundo de Segurança Pública, que terá reserva para investir na prevenção de crimes e pagar beneficiados da Lei da Recompensa;
Regularização do comando de tropas de policiais militares cedidas por outros estados (o que na prática já está acontecendo com agentes cedidos pelos governos de Bahia, Piauí, Santa Catarina e Pernambuco).
Entenda o que está acontecendo no Ceará
O governo criou a secretaria de Administração Penitenciária e iniciou uma série de ações para combater o crime dentro dos presídios.
O novo secretário, Mauro Albuquerque, coordenou a apreensão de celulares, drogas e armas em celas. Também disse que não reconhecia facções e que o estado iria parar de dividir presos conforme a filiação a grupos criminosos.
Criminosos começaram a atacar ônibus e prédios públicos e privados. As ações começaram na Região Metropolitana e se espalharam pelo interior ao longo da semana.
O governo pediu apoio da Força Nacional. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou o envio de tropas; 406 agentes da Força Nacional reforçam a segurança no estado.
A população de Fortaleza e da Região Metropolitana sofre com interrupções no transporte público, com a falta de coleta de lixo e com o fechamento do comércio.
Onda de violência afastou turistas e fez a ocupação hoteleira no estado cair.