Coronavírus: Unicamp prorroga novamente suspensão das atividades presenciais


Resolução publicada nesta quinta-feira (7) prevê paralisação até o dia 30 de maio, mas pode ser revista “conforme evolução da situação da pandemia”. Unicamp abre inscrições para o vestibular 2020 e oferece 2,5 mil vagas
Mirela Von Zuben/G1
A Unicamp prorrogou novamente a suspensão das atividades presenciais das unidades de ensino e pesquisa, centros, núcleos e órgãos universitários. A medida, que valia até o dia 10 de maio, agora vai até o próximo dia 30. A decisão foi publicada nesta quinta-feira (7) em resolução assinada pela reitora em exercício, professora Teresa Dib Zambon Atvars.
Segundo o documento, foram levados em conta o “agravamento da crise sanitária ocasionada pela pandemia” de Covid-19 e medidas preventivas para evitar a disseminação da doença.
No entanto, conforme a resolução, a medida pode ser revista a qualquer momento, “conforme evolução da situação da pandemia”.
Suspensão das atividades
A Unicamp, primeira universidade pública do Brasil a suspender as aulas por conta da pandemia, anunciou em 13 de março a paralisação de todas as atividades não essenciais. À época, Knobel ressaltou que a medida, de caráter preventivo, foi tomada diante de um “momento crítico”.
Segundo o reitor Marcelo Knobel, todas as atividades que tenham aglomeração de pessoas e atividades presenciais foram suspensas. Com isso, o calendário do 1º semestre letivo foi estendido até 31 de agosto para que seja possível complementar com atividades presenciais as disciplinas dos cursos em que houver necessidade.
Covid-19: Unicamp propõe contingenciamento de R$ 72 milhões
A instituição tem 34,6 mil alunos na graduação e programas de pós entre os campi de Campinas, Limeira e Piracicaba.
Situação em Campinas
Até esta quinta-feira (7), Campinas soma 25 mortes causadas pela doença e 449 casos positivos.
O município implementou bloqueios no trânsito nos horários de pico para aumentar isolamento – na última segunda, a cidade registrou taxa de 45%, e o governo do Estado informou que não irá adotar a flexibilização da quarentena nos municípios com índices abaixo de 50%.