Coronavírus: Como a pandemia mudou ‘campeã’ entre melhores cidades do mundo para se viver


Cidade da Nova Zelândia lidera lista anual que foi afetada pela pandemia do coronavírus. Auckland liderou uma lista – em grande parte por causa da forma como a Nova Zelândia lidou com a pandemia
Getty Images via BBC
Auckland, na Nova Zelândia, foi eleita a melhor cidade do mundo para se viver, em um ranking anual que foi significativamente afetado pela pandemia do coronavírus.
O levantamento da Economist Intelligence Unit (EIU), braço de análise e pesquisa da revista britânica The Economist, classificou 140 cidades do mundo em quesitos como estabilidade, infraestrutura, educação e acesso à saúde.
Mas a pandemia provou ser o fator determinante na lista deste ano.
Como resultado, cidades europeias caíram no ranking, enquanto as da Austrália, Japão e Nova Zelândia ganharam posições.
Estes países reagiram com celeridade ao surto de coronavírus. Também conseguiram minimizar os casos e, posteriormente, afrouxar as restrições mais rapidamente.
Já os da União Europeia, por sua vez, demoraram para iniciar o programa de vacinação e muitos deles impuseram restrições severas que prejudicaram seu desempenho na pesquisa deste ano.
Auckland liderou a lista, seguida por Osaka no Japão, Adelaide na Austrália, Wellington na Nova Zelândia e a capital japonesa, Tóquio. Nenhuma cidade da América do Sul ficou entre as dez primeiras.
Osaka, no Japão, ficou em segundo lugar na lista de melhores cidades para viver, atrás apenas de Auckland
Getty Images via BBC
Na outra ponta, Caracas, capital da Venezuela, ficou na 10ª posição no ranking de piores cidades.
“Auckland subiu ao topo do ranking devido a sua abordagem bem-sucedida na contenção da pandemia da Covid-19, o que permitiu que sua sociedade permanecesse aberta e a cidade ganhasse pontos fortes”, disse a EIU.
“As cidades europeias se saíram particularmente mal na edição deste ano”, acrescentou. “Oito das dez maiores quedas no ranking são de cidades europeias.”
Viena, por exemplo, caiu do primeiro para o 12º lugar. A capital austríaca liderou a lista por vários anos, geralmente empatada no topo com Melbourne, na Austrália.
Hamburgo, no norte da Alemanha, teve a queda mais acentuada – caindo 34 posições, para a 47ª.
Essa tendência foi motivada por um “estresse nos recursos hospitalares” que, segundo o estudo, prejudicou a maioria das cidades alemãs e francesas, resultando em uma “pontuação de saúde menor”.
Medidas de lockdown e restrições à mobilidade da população também reduziram a pontuação geral, segundo o estudo.
“Cidades em todo o mundo estão agora muito menos habitáveis ​​do que antes do início da pandemia, e vimos que regiões como a Europa foram atingidas de forma particularmente dura”, disse a EIU.
Embora o topo da lista tenha mudado, o estudo aponta que houve muito menos mobilidade na parte inferior da lista.
Damasco, capital da Síria, continua sendo a cidade onde a vida é mais difícil, principalmente por causa da guerra civil contínua no país. Muitas das cidades com classificação ruim foram afetadas por conflitos, o que pressionou seus sistemas de saúde e infraestrutura.
As 10 melhores cidades para se viver em 2021
Auckland, Nova Zelândia
Osaka, Japão
Adelaide, Austrália
Wellington, Nova Zelândia
Tóquio, Japão
Perth, Austrália
Zurique, Suíça
Genebra, Suíça
Melbourne, Austrália
Brisbane, Austrália
As 10 piores cidades para se viver em 2021
Damasco, Síria
Lagos, Nigéria
Port Moresby, Papua-Nova Guiné
Daca, Bangladesh
Argel, Argélia
Trípoli, Líbia
Carachi, Paquistão
Harare, Zimbábue
Duala, Camarões
Caracas, Venezuela
VÍDEOS: as últimas notícias internacionais