Contratações via CPAT caem 44% em 2019, mas números de março indicam recuperação, diz secretário


Acumulado mostra redução no número de empregados, mas primeira quinzena de março registra aumento de admissões em 111% e gera otimismo. Oferta de vagas no início deste ano no posto de Campinas também caiu em relação a 2018. Mês de março indica reação no número de empregados via CPAT
Murillo Gomes/G1
O número de contratações via Centro Público de Apoio ao Trabalhador (CPAT) de Campinas (SP) caiu 44,52% no início de 2019, em relação ao mesmo período do ano passado. Apesar da queda, os dados, enviados ao G1 pela Secretaria de Trabalho e Renda do município, também mostram recuperação no mês de março com alta de 111,9%, em relação à respectiva época de 2018.
Do primeiro dia do ano até 15 de março, o CPAT intermediou a contratação de 380 pessoas. No mesmo período em 2018, foram computadas 685 admissões. A média negativa fica ainda mais acentuada (51,9% a menos) se comparada a 2017, quando 791 moradores da região foram empregados com auxílio do posto, no período.
Março indica reação
Tal balanço comprova uma diminuição no número de contratações. O panorama, no entanto, muda quando a análise observa os números da primeira quinzena de março. Se comparados, os dados revelam que o período, em 2019, registrou 89 contratações contra 42 em 2018, um aumento de 111,9%.
O que diz a Prefeitura?
Para a Secretaria de Trabalho e Renda da Prefeitura de Campinas, o saldo negativo explica-se pela desconfiança das empresas com o momento ainda incerto que o país viveu na esfera política, no período de transição do Governo Federal. Em entrevista ao G1, Luís Yabiku, responsável pela pasta, explanou a visão dele sobre os dados.
“No final do ano passado houve essa mudança de governo, então acho que o comércio ficou naquela situação de não saber o que vai acontecer”, afirma
“Já no decorrer dos meses, creio que o Brasil deu uma consolidada”, diz, justificando tanto a queda no início do ano quanto a retomada, em março.
Luís Yabiku, secretário municipal de Trabalho e Renda, avaliou contratações via CPAT na região
Ademar Lopes Júnior/TRT
Queda na oferta de vagas
Aos moldes das contratações, a oferta de vagas no CPAT também registrou queda em relação a anos anteriores. Em 2019, até o dia 15 de março, foram ofertadas 862 vagas; 26,13% a menos do que no mesmo período de 2018, quando 1.167 oportunidades foram disponibilizadas.
Mesmo assim, Yabiku se mostra otimista quanto à geração de novas chances por parte das empresas parceiras do órgão.
“O Produto Interno Bruto (PIB) deste ano já deve ser maior do que o do ano passado. Esse tipo de coisa faz o empresário acreditar que a coisa vai melhorar, o faz querer contratar”.
A principal meta a ser atingida, segundo o titular, ainda é atrair novas empresas ao CPAT.
“O que a gente faz é juntar o interesse de quem procura emprego com a necessidade das empresas. Isso é de graça. O CPAT proporciona toda a estrutura necessária para a contratação e, inclusive, disponibiliza local para a realização de entrevistas”, comenta.
Yabiku chama a atenção para o aplicativo “CPAT-Vagas”, que pode ser baixado e acessado gratuitamente pelos interessados, via celular. As oportunidades também podem ser conferidas no site da instituição e na página de empregos do G1 Campinas, que concentra vagas em toda a região.
“A pessoa descobre, em casa, se há vagas que a interessam e não precisa perder uma viagem até uma das unidades, por exemplo”.
Capacitação da mão de obra
Outra característica que pode ser observada no próprio site do órgão é a quantidade de vagas na “geladeira”, ou seja, oportunidades que demoram a ser preenchidas. Yabiku atribui essa realidade à falta de educação especializada.
“O público do CPAT, muitas vezes, possui apenas ensino fundamental. Algumas funções exigem conhecimentos mais específicos, mas, mesmo assim, tais vagas acabam preenchidas, mesmo que depois de algum tempo”, frisa.
Yabiku se mostrou otimista em relação a geração de empregos na região
Ademar Lopes Júnior/TRT
Com objetivo de oferecer preparo aos desempregados, o secretário reforça a atuação do Ensino de Jovens e Adultos (EJA), programa que oferece capacitação através de cursos em parceria com o Centro de Educação Profissional de Campinas (Ceprocamp).
“Existe esse reforço na escolaridade de quem busca um trabalho. Assim, ele volta para a fila do emprego em uma situação melhor”.
Endereços do CPAT
Unidade Centro
Avenida Campos Sales, 427, Centro
De segunda a sexta-feira – Das 7h30 às 17h30
O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 12h.
Unidade Ouro Verde
Avenida Ruy Rodriguez, 3900, Parque Universitário (Shopping Spazio Ouro Verde, 1º andar)
De segunda a sexta-feira – Das 8h às 16h
O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 11h.
Unidade Campo Grande
Rua Manoel Machado Pereira, 902 (em frente à Praça da Concórdia)
De segunda a sexta-feira – Das 8h às 16h
O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 11h.
*Sob supervisão de Patrícia Teixeira
Veja mais notícias da região no G1 Campinas