Como fica a manutenção de carros cada vez mais tecnológicos


Mesmo em grandes centros, ainda falta preparo para grande parte dos profissionais para lidarem com tanta eletrônica. As estruturas dos veículos também estão mais tecnológicas e demandam mão-de-obra atualizada.
Denis Marum/G1
Não é segredo que a tecnologia embarcada nos nossos carros está andando a passos largos. Contudo, é impossível que tanta evolução não gere uma dúvida: como fica a manutenção desses carros tão tecnológicos que rodam dentro de um país de dimensões continentais como o Brasil?
Para se ter uma ideia, até dentro das grandes cidades algumas oficinas ainda não possuem as ferramentas necessárias para reparar determinados modelos de carro. Isto ocorre porque elas não conseguem atualizar o software de seus scanners (aparelhos de diagnósticos).
São vários os motivos: desde a falta de memória nos aparelhos até a indisponibilidade da atualização pelas montadoras, que guardam a sete chaves suas informações para que seus clientes priorizem as concessionárias na hora do conserto.
O que a eletrônica controla
“O bagulho é nervoso”. De forma irônica, é assim que alguns mecânicos se referem a determinados modelos de carros. Algumas dessas maravilhas da tecnologia chegam a ter mais de 40 módulos processadores, por exemplo.
Eles controlam tudo no carro: motor, câmbio, freios, direção, luzes, sensores, vidros elétricos, travas e até se você está com sono – no caso do sistema que detecta um possível cansaço do motorista.
Módulos controlam praticamente tudo nos veículos.
Denis Marum/G1
Quando um problema aparece, fica muito difícil diagnosticar sem o software adequado e as oficinas acabam perdendo muito tempo para encontrar a origem da falha.
Não posso deixar de valorizar a categoria: temos mecânicos que se superam em competência e criatividade para conseguir driblar a falta de scanners atualizados. Porém, a dependência é tão grande que até uma simples cópia de chave de alguns modelos precisa ser programada por um aparelho da concessionária.
Tecnologia da construção
E não se resume ao sistema eletrônico do carro. De forma extremamente eficiente, os engenheiros têm desenvolvido as estruturas das cabines dos carros e caminhões, também chamadas de “células de sobrevivência”, de forma a proteger ao máximo os ocupantes dos veículos.
São utilizados aços de alta dureza, conformados e tratados com tecnologias de produção que lhes conferem a resistência necessária para proteger os ocupantes dos veículos.
O problema é que nem as próprias concessionárias possuem o equipamento indicado para determinado reparo, que dirão as oficinas de funilaria, que ainda nem têm conhecimento técnico a respeito destes novos materiais.
Outro ponto importante diz respeito ao salvamento em caso de colisão. Existem bombeiros de pequenas cidades que desconhecem essas tecnologias e acabam tendo dificuldade nos resgates em estradas.
Não podemos permitir que as inovações se tornem grandes problemas. Seja qual for a mobilidade do futuro, ela continuará precisando de manutenção.
Denis Marum escreve no G1 sobre cuidados com o carro
G1