Como é o ‘Museu da Selfie’, que abriu as portas em Viena

O museu colorido quer atrair fãs de selfies

O museu colorido quer atrair fãs de selfies
Philipp Lipiarski

Um museu feito para fotos está abrindo em Viena (Áustria), com espaço interativos – de paredes brilhantes e coloridas a objetos gigantes — para jovens criarem selfies.

“O número de jovens indo a museus caiu, então nós estamos tentando combater isso com as redes sociais”, diz Petra Scharinger, criadora do nofilter_museum (museu_semfiltro, em tradução literal). “Eles preferem viver online do que interagir com o mundo real.”

O espaço, porém, não se encaixa em nada na definição de museu — “instituição responsável por coletar conservar, estudar e expor objetos de valor artístico”, segundo o dicionário Houaiss. O nofilter_museum se descreve como palco de “exibições interativas que convidam as pessoas a se divertir”.

As 24 salas diferentes do local abrigam piscinas de bolinha, paredes floridas e confetes de glitter, projetados para selfies. Há até um quarto cheio de comidas falsas, como cupcakes e macarons.

O público prioritário são jovens, por serem os maiores usuários de redes sociais. No Reino Unido, 9 de cada 10 adolescentes usam redes sociais como Instagram, Facebook e Whatsapp.

No Brasil, cerca de 86% das crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos usavam a internet em 2018, uma porcentagem mais alta do que na população em geral (cerca de 70% dos brasileiros têm acesso), segundo a pesquisa TIC Kids Online Brasil.

 

Os criadores Nils Peper e Petra Scharinger na piscina de bolinhas

Os criadores Nils Peper e Petra Scharinger na piscina de bolinhas
Philipp Lipiarski

O Nofilter_museum é um de uma série de estabelecimentos ao redor do mundo que têm como público alvo usuários assíduos de redes sociais e que criam espaços propícios para selfies.

Diversos influenciadores digitais famosos já expressaram o desejo de ir ao museu fazer fotos.

Mas a ideia de atraí-los é controversa, porque com frequência a relação próxima entre “influencers” populares e marcas é criticada — grande parte da publicidade nas redes sociais é sutil ou até mesmo subliminar.

O chamado Museu do Sorvete, nos EUA, faz sucesso no Instagram por causa de “influencers” visitantes e tem mais de 390 mil seguidores em sua conta. A empresa dona do local foi avaliada em US$ 200 milhões, de acordo com o jornal americano Wall Street Journal, pela expectativa de investidores de que a marca possa “ser expandida para marcas de roupa, produtos e um novo tema para além de sorvetes”. Os donos do local se referem a ele como um “experium” – abreviação, em inglês, de “museus de experiência”.

Com base nos números de outros museus voltados para o público de redes sociais, Scharinger espera que o público do Nofilter_museum fique entre 300 e 500 pessoas por dia.

“Eu acho que é o futuro dos museus”, opina ela. “Não se trata apenas de selfies, mas também de se divertir, ser capaz de interagir enquanto experimenta a arte.”

 

Alguns influencers já disseram que pretendem visitar o museu

Alguns influencers já disseram que pretendem visitar o museu
Philipp Lipiarski

“Eu acho que as pessoas passam muito tempo nos seus celulares e é por isso que tentamos combinar isso com algo real e com algo divertido. Mas eu não acho que é nossa responsabilidade educá-las”, diz elas.

O museu é temporário, no entanto: funcionará por seis meses em Viena. Scharinger e o cocriador Nils Peper esperam depois levá-los a outras cidades e países.